UE estuda compras comuns de gás "a bom preço" para próximo inverno

A Comissão Europeia defendeu hoje que parcerias da União Europeia (UE) com países terceiros podem fazer baixar os preços energéticos, estando disponível para avaliar aquisições comuns europeias de gás antes do próximo inverno, como aconteceu com vacinas anticovid-19.

"As parcerias da UE com países terceiros para aquisição coletiva de gás e hidrogénio podem melhorar a resiliência e fazer baixar os preços. A Comissão está pronta para criar uma ‘task force’ [grupo de trabalho] sobre compras comuns de gás a nível da UE”, anuncia o executivo comunitário em informação à imprensa europeia.
No dia em que divulga um pacote de medidas sobre o setor energético, numa altura em que os preços da luz e do gás batem máximos também impulsionados pelas tensões da guerra da Ucrânia devido à invasão russa, Bruxelas explica que o objetivo deste grupo de trabalho seria “reunir a procura” e, assim, “facilitar e reforçar o alcance internacional da UE junto dos fornecedores para ajudar a garantir importações a bom preço antes do próximo inverno”.
"A ‘task force’ seria apoiada por representantes dos Estados-membros num comité diretivo, [sendo que] uma equipa de negociação conjunta liderada pela Comissão realizaria conversações com os fornecedores de gás e prepararia também o terreno para futuras parcerias energéticas com fornecedores chave, olhando para além do GNL [gás natural liquefeito] e do gás”, explica a instituição.
Tal iniciativa, já solicitada por alguns Estados-membros dada a atual crise energética, seria “inspirada pela experiência da pandemia de covid-19, quando a ação ao nível da UE foi crucial para garantir um fornecimento suficiente de vacinas para todos”, destaca.
Vincando estar a “tomar medidas desde o verão passado para mitigar o impacto dos elevados preços da energia”, a Comissão Europeia adianta que “não existe uma resposta única e fácil”, nomeadamente relativamente à eletricidade, pelo que avaliará em maio como otimizar a conceção do mercado elétrico.
Na altura, a Comissão Europeia avançou também com orientações aos Estados-membros para responder à escalada dos preços energéticos.
Na reunião informal dos líderes europeus em Versalhes, também há duas semanas, os chefes de Governo e de Estado da UE mandaram a Comissão de apresentar, até final de março, propostas para “garantir segurança do abastecimento e preços energéticos acessíveis no próximo inverno”.
Hoje, Bruxelas propôs a obrigação mínima de 80% de armazenamento de gás na UE para o próximo inverno, até início de novembro, para garantir fornecimento energético, percentagem que deverá chegar aos 90% nos anos seguintes.

Partilhar nas redes sociais

Últimas Notícias
Vinte e sete aprovam regras para reservas de gás na UE
29/06/2022
Amarante opõe-se a linha de Alta Tensão
29/06/2022
Portugal mantém os preços dos hotéis baixos
29/06/2022
Festival Jazz 2022 regressa em Julho com Ashley Henry, Alfa Mist, Jéssica Pina e GNR
29/06/2022
“Curtas de Vila do Conde” regressa com filmes em 30 locais
29/06/2022
Função pública. Governo e sindicatos voltam a discutir hoje valorizações salariais
29/06/2022
Linha do Norte. Protocolo de "alto nível" sobre passagens superiores previsto ficar concluído até ao final de julho
29/06/2022
Depois da insolvência como estará agora recuperar a empresa têxtil Coelima?
29/06/2022
Vinte e sete aprovam regras para reservas de gás na UE
29/06/2022
Amarante opõe-se a linha de Alta Tensão
29/06/2022