Em
O Primeiro de Janeiro

8 Aug 2022, 0:00

168

Refúgio Aboim Ascensão impede criança de ficar com a família apesar de ordem do tribunal

Apesar da ordem do tribunal estipular que a criança deveria ficar com os pais ao fim de semana, no âmbito de um processo de reintegração familiar, o Refúgio Aboim Ascensão recusou-se a cumprir com a decisão. A Segurança Social abriu um processo para averiguar a instituição.

Esta segunda-feira que o Refúgio Aboim Ascensão, em Faro, recusou repetidamente cumprir uma ordem do tribunal que estipulava que um rapaz de nove anos deveria voltar a casa da família aos fins de semana.
A casa de acolhimento entende que o tribunal não pode impor esta decisão, restringindo o contacto com a família às visitas dentro da própria instituição e segundo as regras por esta aplicadas.
O diretor do Refúgio Aboim Ascensão, Luís Villas-Boas, ouvido pelo jornal, deixa clara a sua posição sobre esta matéria: “As crianças que estão connosco não andam de um lado para outro no fim-de-semana”.
Face à reiterada recusa, o tribunal condenou a instituição a uma multa, mandou o Ministério Público extrair certidão para investigar um crime de desobediência, participou a situação ao Ministério da Segurança Social e ao Centro Distrital de Faro, escreve o Público.
A instituição entende que ao tribunal apenas cabe decidir "decidir pela manutenção ou pela restrição dos convívios da criança acolhida com a respetiva família". Se a opção for a de permitir o convívio, este deve ser estabelecido "de acordo com os horários e regras de funcionamento em vigor em cada instituição”.
Já o Ministério Público entende que há uma distinção entre visitas, que se devem adequar ao horários e regras da instituições, e as saídas decididas pelo tribunal e que a casa de acolhimento é obrigada a autorizar.
O caso chegou mesmo ao Tribunal da Relação de Évora que apesar de considerar que “é inequívoco que as decisões dos tribunais são para cumprir por todos os destinatários a quem se dirigem”, sustentou que a instituição não entrou em incumprimento porque se estava a viver uma situação de pandemia e porque "houve manifesta falta de comunicação" no despacho que autoriza as idas a casa aos fins de semana e nas férias escolares da Páscoa, visto que "foi proferido sem audição de técnico do Refúgio e não houve resposta aos problemas que esta instituição colocou perante o tribunal”.
Entretanto, o Instituto de Segurança Social (ISS) abriu um processo para “a apurar as condições de organização, funcionamento e respectiva conformidade legal” da casa se acolhimento.
“Na sequência de queixas relativamente ao facto dos convívios determinados pelo tribunal não estarem a ser cumpridos pela respetiva casa de acolhimento nos processos de promoção e protecção, a Segurança Social procedeu à instauração de processo de averiguações à instituição com vista a apurar as condições de organização, funcionamento e respectiva conformidade legal do estabelecimento em causa”, informou a Segurança Social, citada pelo diário.

Partilhar nas redes sociais

Últimas Notícias
Sérgio Conceição e família ergueram a Taça de Portugal no relvado de Alvalade
27/05/2024
Jardins do Palácio de Cristal acolhem a Festa da Criança durante três dias
27/05/2024
PSP detém 18 pessoas por tráfico de droga em vários bairros da cidade
27/05/2024
STOP a caminho de classificação municipal
27/05/2024
A final a uma vitória de distância
27/05/2024
Rui Moreira felicita FC Porto pela conquista da 20ª Taça de Portugal
27/05/2024
Pedro Abrunhosa tem o seu nome gravado no Coliseu
27/05/2024
Bolhão recebe próxima edição do "Global Kitchen" com sabores ibéricos
27/05/2024
Sérgio Conceição e família ergueram a Taça de Portugal no relvado de Alvalade
27/05/2024
Jardins do Palácio de Cristal acolhem a Festa da Criança durante três dias
27/05/2024