Quase metade da população de África vive sem acesso à eletricidade

Um cidadão na UE consome em média nove vezes mais do que um habitante de África. A França e a Alemanha juntas consumiram mais energia em 2019 do que toda a população africana.

Cerca de 600 milhões de africanos, quase metade da população do continente, vivem sem acesso à eletricidade e apenas quatro países africanos têm 100% de cobertura de energia elétrica.
Apresentado pela Fundação África Europa e pela Fundação Mo Ibrahim a propósito de um debate sobre energia e alterações climáticas, o estudo conclui que apenas 54,7% dos 1,3 mil milhões de habitantes do continente africano tem acesso a eletricidade.
O número de pessoas sem eletricidade em África é 1,3% superior à população total da União Europeia , que tem cobertura total de energia elétrica, conclui o documento.
Segundo os autores do estudo apenas o Egito, as Maurícias, as Seicheles e a Tunísia têm uma cobertura total de energia, enquanto no Sudão do Sul, por exemplo, apenas 6,7% da população tem eletricidade.
Durante o debate, a representante especial do secretário-geral da ONU para a Energia Sustentável para Todos e copresidente da ONU-Energia, Damilola Ogunbiyi, sublinhou que cerca de 10 milhões de pessoas morrem todos os anos em África por causa da falta de eletricidade e mais de 4 milhões de mulheres morrem de problemas de saúde atribuíveis a poluição do ar interior por causa dos combustíveis que usam para cozinhar.
O estudo revela também que, embora África represente 17% da população global, apenas conta 3,4% do consumo global de energia, enquanto a União Europeia representa 5,8% da população mundial e 10,4% do consumo de energia.
Um cidadão na União Europeia consome em média nove vezes mais do que um habitante de África e a França e a Alemanha juntas consumiram mais energia em 2019 do que toda a população africana.
O mesmo estudo conclui que a proporção das emissões de dióxido de carbono de África (4,0% das emissões globais) é de menos de metade da proporção da sua população no mundo (17,0%), enquanto a proporção das emissões da UE (8,2%) supera largamente a da sua população no mundo.
Os autores do estudo acrescentam que os combustíveis fósseis ainda representam uma parte importante da produção de energia em África e na União Europeia, com o petróleo, o gás e o carvão a liderar os combustíveis comercializados para a produção de eletricidade em ambas as regiões.
Estes três combustíveis representam 91,5% da energia consumida em África e 73,4% da energia consumida na UE.

Partilhar nas redes sociais

Últimas Notícias
Vinte e sete aprovam regras para reservas de gás na UE
29/06/2022
Amarante opõe-se a linha de Alta Tensão
29/06/2022
Portugal mantém os preços dos hotéis baixos
29/06/2022
Festival Jazz 2022 regressa em Julho com Ashley Henry, Alfa Mist, Jéssica Pina e GNR
29/06/2022
“Curtas de Vila do Conde” regressa com filmes em 30 locais
29/06/2022
Função pública. Governo e sindicatos voltam a discutir hoje valorizações salariais
29/06/2022
Linha do Norte. Protocolo de "alto nível" sobre passagens superiores previsto ficar concluído até ao final de julho
29/06/2022
Depois da insolvência como estará agora recuperar a empresa têxtil Coelima?
29/06/2022
Vinte e sete aprovam regras para reservas de gás na UE
29/06/2022
Amarante opõe-se a linha de Alta Tensão
29/06/2022