Macron diz que esta guerra "vai durar"

Paris está a preparar um "plano de resiliência" para lidar com as consequências económicas desta crise.

O Presidente francês alertou que a guerra na Ucrânia "vai durar" e que todos "devem estar preparados".
"A guerra voltou à Europa. Se tivesse de vos dar uma convicção esta manhã é a de que esta guerra vai durar", disse Emmanuel Macron, dirigindo-se aos participantes da Feira Agrícola Internacional de Paris, que inaugurou este sábado.
Citado pela agência France Presse (AFP), Macron referiu que "esta guerra foi escolhida unilateralmente pelo Presidente Putin" e falou das consequências que o conflito poderá ter nas exportações francesas, nomeadamente de produtos agrícolas.
"Certamente haverá consequências nas nossas exportações das grandes fileiras" como o vinho, cereais e rações para animais, estimou o Presidente francês, indicando que o governo está a desenhar um "plano de resiliência" com o objetivo de, primeiro, "garantir os fatores de produção para as nossas fileiras" e, depois, para "criar proteções" contra o aumento de custos.
Macron falava perante os líderes de várias organizações profissionais tendo discursado durante cerca de 20 minutos, numa altura em que os agricultores temem medidas de retaliação russas em resposta às sanções impostas pelo Ocidente.
A França é o maior fornecedor de produtos agroalimentares da Rússia, com as vendas anuais a rondarem os 780 milhões de euros, de acordo com os dados da associação agroindustrial francesa Ania.
Vários grupos industriais franceses operam na Ucrânia, sobretudo nos setores dos laticínios, cereais e sementes. Entre eles o Lactalis, que tem três unidades de produção de laticínios na antiga república socialista.
É o terceiro dia de confrontos a Leste, após a Rússia ter lançado quinta-feira, de madrugada, uma ofensiva militar na Ucrânia, com forças terrestres e bombardeamento de alvos em várias cidades, que já provocaram pelo menos mais de 120 mortos, incluindo civis, e centenas de feridos, em território ucraniano, segundo Kiev. A ONU deu conta de 100 deslocados no primeiro dia de combates.
O Presidente Putin disse que a "operação militar especial" na Ucrânia visa "desmilitarizar e 'desnazificar'" o seu vizinho e que era a única maneira de o país se defender, precisando o Kremlin que a ofensiva durará o tempo necessário, dependendo de seus "resultados" e "relevância".
O ataque foi condenado pela generalidade da comunidade internacional e motivou reuniões de emergência de vários governos, tendo sido aprovadas sanções em massa contra a Rússia.
Nas últimas horas, as ruas de Kiev estão a ser palco de confrontos. O Presidente da Ucrânia recusou sair do país e pediu à população que não acredite em notícias falsas.

Partilhar nas redes sociais

Últimas Notícias
Vinte e sete aprovam regras para reservas de gás na UE
29/06/2022
Amarante opõe-se a linha de Alta Tensão
29/06/2022
Portugal mantém os preços dos hotéis baixos
29/06/2022
Festival Jazz 2022 regressa em Julho com Ashley Henry, Alfa Mist, Jéssica Pina e GNR
29/06/2022
“Curtas de Vila do Conde” regressa com filmes em 30 locais
29/06/2022
Função pública. Governo e sindicatos voltam a discutir hoje valorizações salariais
29/06/2022
Linha do Norte. Protocolo de "alto nível" sobre passagens superiores previsto ficar concluído até ao final de julho
29/06/2022
Depois da insolvência como estará agora recuperar a empresa têxtil Coelima?
29/06/2022
Vinte e sete aprovam regras para reservas de gás na UE
29/06/2022
Amarante opõe-se a linha de Alta Tensão
29/06/2022