Em
O Primeiro de Janeiro

11 Mar 2022, 0:00

50

Líderes europeus aceitam integração da Ucrânia na UE depois de cinco horas de discussão “acalorada”

Os chefes de Estado e de Governo da União Europeia (UE) prometeram apoiar a Ucrânia na integração europeia, num comunicado divulgado esta madrugada. O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, destacou uma das conclusões do encontro em Versalhes, França: “sem demora, reforçaremos ainda mais os nossos laços e aprofundaremos a nossa parceria para apoiar a Ucrânia na prossecução do caminho europeu”.
Já o Presidente da Lituânia, Gitanas Nauseda, escreveu, na rede social Twitter, que a cimeira da UE foi “uma noite histórica em Versalhes”. “Depois de cinco horas de discussões acaloradas, os líderes da UE disseram ‘sim’ à euro-integração ucraniana. O processo começou. Agora cabe a nós e aos ucranianos concretizá-la rapidamente. A nação ucraniana heroica merece saber que é bem-vinda à UE”, afirmou.
No comunicado conjunto, “o Conselho Europeu reconheceu as aspirações europeias e a escolha europeia da Ucrânia”, lembrando a legitimidade do pedido de Kiev “para se tornar membro da União Europeia”. “O Conselho [Europeu] agiu rapidamente e convidou a Comissão [Europeia] a apresentar o parecer sobre este pedido. Até lá e sem demora, reforçaremos ainda mais os nossos laços e aprofundaremos a nossa parceria para apoiar a Ucrânia na prossecução do seu caminho europeu. A Ucrânia pertence à nossa família europeia”, diz o comunicado.
Os líderes europeus exigiram ainda “que a segurança das instalações nucleares da Ucrânia seja imediatamente assegurada com a assistência da Agência Internacional da Energia Atómica” e que “a Rússia cesse a ação militar e retire todas as forças e equipamento militar de todo o território da Ucrânia imediata e incondicionalmente, e respeite plenamente a integridade territorial, soberania e independência da Ucrânia dentro das suas fronteiras internacionalmente reconhecidas”.
Por outro lado, lembraram que já adotaram “sanções significativas” contra a Rússia e que se mantêm dispostos “a avançar rapidamente com mais sanções”.
Os chefes de Estado e de Governo da UE iniciaram na quinta-feira uma cimeira de dois dias originalmente consagrada à economia, mas que focada na defesa e energia, por força da ofensiva russa na Ucrânia.
Agendada há muito pela atual presidência francesa do Conselho da UE, esta cimeira era dedicada integralmente ao “novo modelo europeu de crescimento e investimento”, mas a invasão da Ucrânia pela Rússia, há duas semanas, e as consequências do conflito para o bloco europeu impuseram alterações na ordem de trabalhos do encontro.

Partilhar nas redes sociais

Últimas Notícias
Distinção do Aeroporto do Porto é "recado para a TAP, numa altura em que tudo corre mal em Lisboa"
26/06/2022
Sonae cria plataforma de emprego para ajudar refugiados ucranianos
26/06/2022
Filmagens do filme “Velocidade Furiosa” obrigam a cortes em vários troços da A24
26/06/2022
Hause Plants anunciam tour com mais de 15 datas em Portugal
26/06/2022
Livro “Norte com Tradição” apresentado este sábado
25/06/2022
Anulação do direito ao aborto nos EUA "interpela todo o mundo", diz Vaticano
25/06/2022
Reunião com enfermeiros não definiu retroatividade e negociações continuam
25/06/2022
Luísa Salgueiro: Câmara do Porto ficou "fragilizada e isolada" com saída da Associação Nacional de Municípios
25/06/2022
Distinção do Aeroporto do Porto é "recado para a TAP, numa altura em que tudo corre mal em Lisboa"
26/06/2022
Sonae cria plataforma de emprego para ajudar refugiados ucranianos
26/06/2022