Eslovénia vai reabrir representação diplomática em Kiev e pede à UE que faça o mesmo

A Eslovénia decidiu reabrir a sua representação diplomática em Kiev, depois de a ter encerrado devido à invasão da Rússia, e pediu aos demais países da União Europeia que façam o mesmo.

"A Eslovénia enviará o seu representante diplomático e a sua equipa para Kiev na próxima semana. Todos são voluntários. Tentamos fazer com que a UE faça o mesmo. A Ucrânia precisa de apoio diplomático direto para que a agressão termine o mais rápido possível e a paz seja alcançada”, declarou o primeiro-ministro esloveno, Janez Jansa.
O embaixador esloveno em Kiev, Tomaz Mencin, deixou Kiev quando começaram os ataques contra a capital ucraniana, assim como a maioria dos representantes de outros países europeus.
Jansa, que visitou Kiev na terça-feira passada com os seus homólogos polaco e checo, disse à televisão pública eslovena, no seu regresso da Ucrânia, que apenas os embaixadores da Polónia e do Vaticano permaneceram na capital ucraniana e que os ucranianos se sentiam abandonados.
"Se em todo o corpo diplomático da UE não há ninguém tão corajoso como o embaixador do Vaticano, então, não merecemos ter diplomacia", comentou Jansa, dizendo que isso também se aplica à diplomacia eslovena.
O primeiro-ministro esloveno insistiu que a diplomacia existe para "resolver situações, oferecer a possibilidade de negociação mesmo em meio a ataques, não para caminhar entre banquetes" .
A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que causou pelo menos 902 mortos e 1.459 feridos entre a população civil, incluindo mais de 170 crianças, e provocou a fuga de mais de 10 milhões de pessoas, entre as quais mais de 3,3 milhões para os países vizinhos, indicam os mais recentes dados da ONU.
Segundo as Nações Unidas, cerca de 13 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.
A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Partilhar nas redes sociais

Últimas Notícias
Distinção do Aeroporto do Porto é "recado para a TAP, numa altura em que tudo corre mal em Lisboa"
26/06/2022
Sonae cria plataforma de emprego para ajudar refugiados ucranianos
26/06/2022
Filmagens do filme “Velocidade Furiosa” obrigam a cortes em vários troços da A24
26/06/2022
Hause Plants anunciam tour com mais de 15 datas em Portugal
26/06/2022
Livro “Norte com Tradição” apresentado este sábado
25/06/2022
Anulação do direito ao aborto nos EUA "interpela todo o mundo", diz Vaticano
25/06/2022
Reunião com enfermeiros não definiu retroatividade e negociações continuam
25/06/2022
Luísa Salgueiro: Câmara do Porto ficou "fragilizada e isolada" com saída da Associação Nacional de Municípios
25/06/2022
Distinção do Aeroporto do Porto é "recado para a TAP, numa altura em que tudo corre mal em Lisboa"
26/06/2022
Sonae cria plataforma de emprego para ajudar refugiados ucranianos
26/06/2022