Deutsche Bank vai encerrar seus negócios na Rússia

O banco, que tem sede em Frankfurt, disse: "Como alguns pares internacionais e de acordo com nossas obrigações legais e regulatórias, estamos no processo de encerrar nossos negócios restantes na Rússia enquanto ajudamos os nossos clientes multinacionais não russos a reduzir as suas operações.

O Deutsche Bank (DBKGn.DE), que enfrentou fortes críticas de alguns investidores e políticos por seus laços contínuos com a Rússia, disse, na sexta-feira, num movimento surpresa, que vai encerrar os seus negócios no país.
O Deutsche junta-se às fileiras do Goldman Sachs (GS.N) e do JPMorgan Chase (JPM.N), que foram os primeiros grandes bancos dos EUA a sair após a invasão de Moscovo à Ucrânia. Esses movimentos pressionam os rivais a seguir o mesmo caminho. 
O Deutsche ainda resistiu à pressão para romper os laços, argumentando que precisava de apoiar as empresas multinacionais que faziam negócios na Rússia.
Mas na sexta-feira à noite em Frankfurt, o banco de repente mudou de rumo.
"Estamos no processo de encerrar os nossos negócios restantes na Rússia enquanto ajudamos os nossos clientes multinacionais não russos a reduzir as suas operações", disse o banco.
"Não haverá novos negócios na Rússia", disse Deutsche.
Um dia antes, o presidente-executivo do Deutsche Bank, Christian Sewing, explicou aos funcionários porque motivo o banco não estava a ser encerrado na Rússia. 
"A resposta é que isso iria contra os nossos valores", escreveu Sewing. "Temos clientes que não podem sair da Rússia da noite para o dia."
Bill Browder, um investidor que passou anos a fazer campanha para expor a corrupção na Rússia, disse que a permanência do Deutsche Bank estava "completamente em desacordo com a comunidade empresarial internacional e criaria reação, perda de reputação e negócios no Ocidente".
"Eu ficaria surpreso se eles fossem capazes de manter essa posição, já que a situação na Ucrânia continua a deteriorar-se", disse Browder à Reuters na nesta sexta-feira.
As críticas aconteceram quando as forças russas que atacavam Kiev estavam-se reagrupando a noroeste da capital ucraniana e a Grã-Bretanha disse que Moscovo poderia estar a planear um ataque à cidade dentro de dias.
Fabio De Masi, ex-membro do Bundestag e proeminente ativista contra o crime financeiro, disse que o Deutsche Bank tinha laços estreitos com a elite russa, muitos dos quais enfrentavam sanções e que o relacionamento, onde envolvia atividades criminosas russas, tinha que terminar.
O Deutsche Bank, em comunicado, esclareceu que reduziu a sua presença na Rússia nos últimos anos. Esta semana divulgou 2,9 bilhões de euros em risco de crédito ao país, e disse que a exposição é "muito limitada".
A disputa sobre a Rússia ocorreu quando o Deutsche Bank divulgou um relatório anual em que pagou à Sewing 8,8 milhões de euros (US$ 9,68 milhões) em 2021, um aumento de 20% em relação ao ano anterior. 

Partilhar nas redes sociais

Últimas Notícias
Porto vai instalar dois ecrãs gigantes para os jogos do Euro 2024
28/05/2024
Cinema rodado na Invicta apoiado pela Filmaporto
28/05/2024
U.Porto distingue Nobel da Física 2023 com Honoris Causa
28/05/2024
Município investe 4,65 milhões de euros para habitação na Rua Gisberta Salce Júnior
28/05/2024
Fluvial traz cinco medalhas da Regata Internacional da Amizade
28/05/2024
André Villas-Boas: “Continuaremos a ganhar consigo”
28/05/2024
Sérgio Conceição e família ergueram a Taça de Portugal no relvado de Alvalade
27/05/2024
Jardins do Palácio de Cristal acolhem a Festa da Criança durante três dias
27/05/2024
Porto vai instalar dois ecrãs gigantes para os jogos do Euro 2024
28/05/2024
Cinema rodado na Invicta apoiado pela Filmaporto
28/05/2024