Em
O Primeiro de Janeiro

30 Jun 2022, 0:00

74

CAP acusa Governo de voltar a faltar à palavra dada aos agricultores

A Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) acusou hoje a ministra da Agricultura de ter voltado a faltar à palavra dada, já que continua por cumprir o pagamento antecipado de 500 milhões de euros relativamente ao Pedido Único.

Segundo a CAP, “a ministra havia-se comprometido, no passado dia 21 de abril, a liquidar esta verba até ao dia 30 maio”, o que até hoje não aconteceu.
“Faltou à palavra dada pela primeira vez quando, no final de maio, mais de um mês após o anúncio desta garantia, falhou o prazo para fazer chegar o dinheiro prometido e devido aos agricultores. Faltou à palavra dada pela segunda vez hoje, mais 30 dias decorridos sobre a data de fim de maio. Junho chegou ao fim, os pagamentos prometidos não chegaram e os agricultores esperam… e desesperam!”, lê-se no comunicado da CAP.
Segundo a confederação, os agricultores portugueses “estão numa situação complicadíssima e desesperante”, já que não têm dinheiro em tesouraria e têm de cumprir empréstimos bancários e compromissos com fornecedores.
A CAP diz que esta é uma “situação profundamente injusta” quando os agricultores “estão já a ser muito penalizados pelo atual contexto de seca, de escalada brutal dos preços dos combustíveis e da energia, da subida vertiginosa dos preços das matérias-primas e dos fertilizantes e de um fosso de perda de competitividade face a Espanha que se alarga a cada dia que passa” e exige que o Governo respeite a palavra dada.
A antecipação de 500 milhões de euros dos pagamentos do PU, que estavam previstos só para outubro, pretende responder ao impacto da guerra na Ucrânia no setor, permitindo aos agricultores portugueses fazer face às necessidades adicionais de liquidez, perante o aumento dos custos das matérias-primas e da energia.
O apoio é atribuído aos agricultores que tenham recebido em 2021 pagamentos no âmbito da candidatura ao Pedido Único (PU) e que tenham apresentado candidatura ao PU em 2022, sendo que o reembolso do apoio concedido será realizado por conta dos montantes a atribuir em 2022.
“O montante máximo do apoio excecional de crise a atribuir a cada agricultor corresponde a 50% do valor pago das ajudas constantes do calendário de pagamentos do PU até 31 de dezembro de 2021”, segundo o despacho publicado em 13 de maio em Diário da República com efeitos retroativos à data da assinatura pelo Governo, em 09 de maio.
O Pedido Único de Ajudas (PU) consiste no pedido de pagamento direto das ajudas que integram os regimes sujeitos ao Sistema Integrado de Gestão e de Controlo (SIGC), previsto na regulamentação comunitária.

Partilhar nas redes sociais

Últimas Notícias
Atletas de alta competição com apoio de 200 mil euros
12/04/2024
Prova de cicloturismo Porto-Gaia Granfondo vai para a estrada este domingo
12/04/2024
Pai e filha detidos no Porto por criminalidade organizada
12/04/2024
Torneio Patricius 2024 regressa ao Parque da Cidade
12/04/2024
Obras da estação do metrobus do Pinheiro Manso terminam no verão
12/04/2024
PSP constitui cinco arguidos em operação de combate à segurança privada ilegal
12/04/2024
Esta é a nova geração da Arquitetura portuense
12/04/2024
Município investe em projetos de inclusão social e combate à pobreza
12/04/2024
Atletas de alta competição com apoio de 200 mil euros
12/04/2024
Prova de cicloturismo Porto-Gaia Granfondo vai para a estrada este domingo
12/04/2024