A vida para os condutores que precisem de atravessar a avenida da República, em Vila Nova de Gaia, está prestes a complicar-se ainda mais. As obras do metro vão levar ao encerramento do túnel que passa por baixo da rotunda de Santo Ovídio, obrigando os condutores a passar pelo problemático cruzamento durante pelo menos dezoito meses.
Até ao final de 2023, o extremo sul da avenida da República, em Vila Nova de Gaia, terá um novo constrangimento ao trânsito: as obras do prolongamento da Linha Amarela do Metro do Porto obrigam ao encerramento do túnel de Santo Ovídio, que passa por baixo da rotunda para onde confluem as ruas de Conceição Tomás, Soares dos Reis e António Rodrigues Rocha, pouco depois da saída da A1.
Numa visita à obra da futura estação de Manuel Leão, junto à RTP e à Escola Secundária Soares dos Reis, o presidente da Metro do Porto, Tiago Braga, referiu que “este é um momento importante” para a a empresa. “Na próxima semana, no dia 2 de novembro, vamos proceder ao encerramento do túnel de Santo Ovídio, porque vamos avançar com a ligação da estação de Santo Ovídio atual.”
A interrupção da circulação no túnel servirá para a construção do viaduto que liga a atual extensão da linha ao túnel — cuja escavação já arrancou, junto ao hospital Santos Silva.
Aos jornalistas, Tiago Braga deixou claro que não havia alternativa ao corte do túnel de Santo Ovídio, quer por razões técnicas, quer por razões de segurança.
“Apelamos a alguma paciência.(…) Não havia outra alternativa. Para fazermos esta ligação tínhamos mesmo de ocupar aquele espaço quer por questões técnicas — nós vamos construir uma laje paralela à laje existente, porque vamos alargar aquele canal —, quer por questões de segurança, que impediriam qualquer tipo de utilização junto do túnel.”
“O que se pode esperar é alguma confusão adicional. O túnel de Santo Ovídio já nos retirava cerca de 40 mil carros da rotunda diariamente e, portanto, agora essa distribuição vai se fazer sempre com ónus. Vai sobrecarregar o IC23, vai sobrecarregar a A44, vai sobrecarregar as nacionais.