Do Porto para o mundo desde 1906.

Abriu há dois meses, reúne um século de história e um legado patrimonial que passou por 3 gerações de uma família que dedicou a vida à arte do vitral.
José Aquino da Costa Antunes desde criança  conviveu com os vidros trabalhados pelo avô e o pai e seguiu o mesmo caminho dos dois. Aprimorou os conhecimentos da arte da família, estudando na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, onde também foi professor de vitral por mais de 30 anos. É o último  pintor de vitrais em Portugal.
A fábrica familiar quase fechou mas em 2008 mudou de endereço, para a Rua do Vilar e surge então a ideia de criar um museu dedicado à esta arte.
Alguns anos se passaram, o projeto ganhou forma a partir do próprio espólio da Vidraria Antunes  e o Museu do Vitral  surge em 2021 graças ao impulso da parceria com a empresa Fladgate Partnership (lê-se Taylor’s, WOW, Yeatman Hotel, Vogue Café e outros).
É um museu diferente. O bilhete dá direito a um copo de vinho do Porto Taylor’s e podemos apreciar toda a beleza desta arte por entre salas amplas, por entre os  painéis e exemplares de vitrais e fazer uma pausa em vários recantos enquanto vemos o Centro Histórico do Porto pelas janelas.
A Vidraria Antunes nasceu em 1906 mas a arte do vitral é secular e por entre os espaços do Museu do Vitral, através dos trabalhos da família que executou vitrais para o Porto, para o resto do país e para muitos países do mundo, conseguimos entender a história, o processo de produção e a importância desta arte que enriqueceu a arquitetura de muitos edifícios emblemáticos.
Aqui no Porto por exemplo, é impossível não se deixar encantar pelo belíssimo vitral no teto da Livraria Lello, ou em várias igrejas, como a dos Congregados e também no Hotel Infante Sagres.
Como várias outras artes, o vitral  foi utilizado inicialmente  nas igrejas, a seguir nos edifícios públicos, privados e também em casas da alta burguesia que era quem tinha condições para encomendar trabalhos  específicos para cada espaço.
Para além de trabalhos feitos de raiz, a Vidraria Antunes também foi responsável pela restauração de vários vitrais espalhados pelo mundo, como o teto da catedral de Brasília no Brasil.
Mas visitar este museu não é apenas ver vitrais. O Museu do Vitral foi instalado na antiga Casa da Vandoma que está bem ao lado da Catedral do Porto.  É uma  antiga casa de uma família burguesa que foi totalmente restaurada para receber o museu e que durante a sua restauração viram-se surgir ruínas seculares relacionadas à muralha primitiva do burgo medieval  juntamente com vários pormenores e materiais antigos, típicos das construções do Centro Histórico do Porto e que estão lá para também admirarmos.
Para além disso, num futuro próximo, o museu terá acesso a uma das ruas e casas mais antigas do Porto que surgiram nas traseiras da Catedral. Marcas do tempo que merecem ser apreciadas também.