José Maria Neves e a esperança em Portugal

O novo Presidente de Cabo Verde, José Maria Neves, confia numa coabitação pacífica com o governo do MpD.
Dias depois de ter sido eleito, o chefe de Estado admitiu já sinais de recuperação na economia cabo-verdiana, sobretudo com o crescimento do turismo. No entanto, quer outras apostas, como uma cooperação robustecida com Portugal.
José Maria Neves, o novo Presidente de Cabo Verde teve o apoio do PAICV, um partido histórico agora na oposição, e foi eleito à primeira volta com 51% dos votos. Após as eleições disputadas entre sete candidatos presidenciais, o Presidente eleito tratou de garantir que vai dialogar com todos, e, numa entrevista na Manhã TSF, com Fernando Alves, disse acreditar num convívio tranquilo com o Governo de Ulisses Correia e Silva.
“Será uma boa coabitação, sem problemas, desde que todos cumpram a Constituição da República, e eu trabalharei ativamente para que haja estabilidade, um recurso estratégico para Cabo Verde, e para que haja boas condições de governabilidade, e continuemos todos no sentido da boa governação do país”, antecipou José Maria Neves.
Com o território em fase de recuperação da pandemia, Cabo Verde acaba de ser referida como o principal destino turístico dos britânicos, e é neste momento que o novo Presidente passa a representar o país. “Espero que até ao final do ano consigamos efetivamente imunizar a população”.
É a esperança de José Maria Neves, que vislumbra depois a possibilidade de uma “efetiva reforma” e “retoma do turismo, que é o motor da nossa economia”, para, “a partir daí, trabalhar no sentido da diversificação da economia, da aceleração do ritmo de modernização e de transformação do país”. No horizonte de 2030, fixa o “desenvolvimento sustentável”.
Com o pacote das privatizações em marcha e a visita recente do ministro português Pedro Siza Vieira a chamar a atenção dos empresários portugueses para as oportunidades do processo de privatizações cabo-verdiano, o chefe de Estado espera um fortalecimento das relações.
Se o ministro português de Estado e da Economia disse “isso pode passar por um reforço da internacionalização da economia de Cabo Verde, designadamente através da atração de empresas portuguesas que possam a partir daqui servir os mercados globais”, José Maria Neves também não esconde o otimismo: “Portugal é um parceiro estratégico de Cabo Verde e tem participado, aliás, no processo de construção da nossa economia de mercado, e espero que as empresas portuguesas, e Portugal no seu todo, continuem a construir parcerias com Cabo Verde, no sentido do seu desenvolvimento”.
Siza Vieira valorizou mesmo o facto de os dois países estarem ligados por um cabo submarino de fibra ótica que vai permitir que as empresas de serviços tecnológicos e os centros de serviços nesta área possam instalar-se em Cabo Verde ou em Portugal, palavras que também reforçam a esperança do novo Presidente do país africano.
Não há ainda uma data estabelecida para que José Maria Neves assuma funções. O Presidente eleito de Cabo Verde admite que gostaria de ver Marcelo Rebelo de Sousa nessa cerimónia.