O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse esperar que a actual subida dos preços da energia não se prolongue para além de “Março, Abril” de 2022.
Marcelo Rebelo de Sousa disse que a Comissão Europeia “tem um pacote de medidas ou sugestões” para os Estados-Membros “para o curto prazo, até Março, Abril”.
“É de se esperar ou desejar que a situação não continue nos termos que hoje existem para além de março e abril, porque aí passaria a pesar ainda mais sobre o que todos queremos, que é a recuperação do tempo perdido em a economia da Europa e do mundo “, acrescentou o chefe de Estado.
Marcelo Rebelo de Sousa enquadrou esta questão como um problema global e uma preocupação coletiva: “A questão do combustível diz respeito a todas as partes, ao Governo e aos partidos da oposição, em Portugal, na vizinha Espanha, na União Europeia e em vários países do mundo, porque os fatores que pesam nos preços são, em muitos casos, comuns a vários países do mundo ”.
Segundo o economista-chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI), os preços da energia, cuja alta preocupa os investidores, devem moderar “até o final do primeiro trimestre de 2022”.
“No momento, mesmo que os preços no curto prazo nos meses de inverno continuem elevados, esperamos que caiam até o final do primeiro trimestre do ano que vem e durante o segundo semestre”, disse Gita Gopinath.