A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) vai realizar uma ação de protesto esta quarta-feira, dia 28 de julho, às 10h, junto ao ministério da educação, na luta pela progressão de carreira dos docentes.
Num comunicado enviado às redações, o organismo refere que perante a ausência de resposta do ministério da educação, à solicitação de uma reunião “para poder discutir problemas e encontrar soluções”, relacionadas com este assunto, decidiu avançar com o protesto.
“A Fenprof deslocar-se-á, às 10:30 horas, ao Ministério da Educação. Estarão presentes professores atingidos e prejudicados por este processo”, adiantou.
Segundo a Federação, “as listas para progressão aos 5.º e 7.º escalões da carreira não são escrutináveis, porque nelas não consta nenhum dos elementos legalmente estabelecidos para ordenação dos candidatos”.
“Assim, ninguém sabe se quem está à sua frente está corretamente ordenado, se ali se encontra por engano ou, até, se tal é resultado de algum tipo de favorecimento”, lamenta.
Para além disso, adianta o organismo, “não é aceitável que milhares de docentes sejam impedidos de progredir, apesar de reunirem todos os requisitos e de muitos até terem obtido uma avaliação que os dispensava das vagas, mas, por aplicação das quotas, terem sido vítimas de uma redução administrativa que põe em causa o seu mérito profissional e o direito a progredir na carreira”.
Assim, a Fenprof “pretende que as listas sejam transparentes e, de imediato, que o número de vagas seja igual ao de candidatos, sendo, assim, evitada a discriminação entre os docentes do continente e os que exercem atividade na Madeira e nos Açores, e fazendo justiça a quem, apesar de tudo o que é exigido, vê embragada a progressão”.
A Federação “reclama, ainda, a abertura de processo negocial destinado a eliminar estas vagas, bem como as quotas na avaliação”, conclui o organismo.

Facebook
Twitter
Instagram