O embaixador de Portugal no Brasil, Luis Faro Ramos, defendeu a assinatura de um acordo bilateral com o Brasil para que os cidadãos vacinados contra a covid-19 no país tenham menos restrições para entrar em Portugal, durante a pandemia.
“Era muito importante que conseguíssemos negociar com o Brasil um acordo recíproco para certificados de vacinas. Era o que nós deveríamos fazer” disse Ramos.
“Como cada vez a vacina avança mais, era muito interessante que os governos português e brasileiro pudessem negociar um reconhecimento recíproco de certificados de vacinação. Isto é, o Governo brasileiro reconheceria o certificado dos vacinados em Portugal e o Governo português reconheceria o certificado dos vacinados no Brasil, mas isto não esta ainda feito”, explicou.
Faro Ramos disse “que tem havido conversas entre os responsáveis dos dois países. É só o que eu posso dizer, aconteceram conversas.”
Atualmente os portugueses e luso-brasileiros que se vacinam no Brasil com vacinas que não são aplicadas na União Europeia – como a Coronavac – não têm acesso ao certificado de vacinação em Portugal.
O embaixador admitiu que, se “esse reconhecimento [de certificados de vacina] avançasse, este problema [das vacinas aplicadas no Brasil] estaria resolvido” porque o reconhecimento recíproco pode ser feito bilateralmente, numa negociação entre Brasil e Portugal.
“Isto não só é possível como é desejável porque nós temos que avançar e reconhecer a importância das nossas comunidades, a nossa comunidade portuguesa aqui e a brasileira em Portugal”, destacou o embaixador.
As restrições aos turistas brasileiros no país continuam, mas aqueles que têm nacionalidade portuguesa, visto de residência ou estudantes podem entrar em Portugal, mediante a apresentação de teste negativo para covid-19 realizado 72 horas antes do voo. Estes grupos também precisam fazer quarentena de 14 dias em Portugal.
No final desta semana, o Presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, viaja ao Brasil para participar da reinauguração do Museu da Língua portuguesa, em São Paulo.
Questionado sobre o programa da visita presidencial, o embaixador português disse que ainda não há uma agenda oficial, mas confirmou que o Marcelo Rebelo estará em São Paulo e em Brasília e fez questão de recordar que, nos últimos meses, vários governantes dos dois países se têm encontrado.
“Nos últimos meses, nós temos assistido a uma intensificação muito boa de visitas e encontros institucionais”, frisou Ramos.
“A dinâmica da relação de Portugal com o Brasil neste momento está muito forte”, concluiu.
O Brasil é o país da América Latina mais afetado pelo covid-19, o segundo do mundo com mais mortes (549.924) relacionadas à doença e o terceiro com infeções (19,7 milhões), atrás apenas dos Estados Unidos e da Índia.

Facebook
Twitter
Instagram