A Galp criou um grupo de trabalho para “estudar a criação de uma plataforma” para “endereçar os desafios da transição energética” em Matosinhos e definir o futuro das instalações da refinaria que fechou em abril, anunciou esta segunda-feira aquela empresa.
A petrolífera “reconhece os impactos regionais” do fecho da refinaria e garante que “tem estado empenhada e disponível para procurar as melhores soluções para o futuro das instalações, das pessoas e do concelho” de Matosinhos.
“Neste âmbito, foi criado pela empresa um grupo de trabalho que vai estudar a criação de uma plataforma para endereçar os desafios da transição energética em Matosinhos. Este grupo, que terá a coordenação de Rodrigo Tavares, integra vários quadros da Galp, peritos nacionais e internacionais, como Ana Lehmann, Adélio Mendes ou Falk Uebernickel, e prevê a colaboração de ‘stakeholders’ de âmbito local, nacional e internacional.  As conclusões serão reveladas em tempo oportuno”, adiantou a Galp.
Na mesma resposta, a empresa refere ainda que “vai continuar a sua presença em Matosinhos, presença essa já assegurada com a manutenção de um parque logístico.”
O estudo sugere a criação de um Centro Tecnológico da Energia e do Mar, a ser constituído por um laboratório para a energia e para o mar, uma incubadora de empresas, hospedaria de laboratórios industriais e um parque de pilotos industriais, adianta o estudo.
“Esta solução criará mais emprego, mais sustentabilidade e mais valor acrescentado do que a refinaria agora encerrada, permitindo a criação de um ecossistema de inovação e desenvolvimento, liderado por instituições âncora como universidades e grandes empresas”, refere o estudo.
O objetivo é, acrescenta, que este centro seja “um viveiro para novos recursos e novas ideias em áreas como a mobilidade inteligente ou a valorização energética de resíduos”.
A Galp desligou a última unidade de produção da refinaria de Matosinhos em 30 de abril, na sequência da decisão de concentrar as operações em Sines.
A petrolífera justificou a “decisão complexa” de encerramento da refinaria de Matosinhos com base numa avaliação do contexto europeu e mundial da refinação, bem como nos desafios de sustentabilidade, a que se juntaram as características das instalações.
Após ter decidido o encerramento da refinaria, a Galp encetou conversas individuais com os 401 trabalhadores em causa, chegando a acordo com mais de 40%.
“Dentro desses, mais de 100 continuarão a sua atividade, quer no parque logístico de Matosinhos, que manterá as suas funções de abastecimento ao mercado de combustíveis do Norte do país, quer por via da mobilidade interna para as áreas das renováveis, inovação, novos negócios e também para a refinaria de Sines”, adiantou à Lusa, em maio, o administrador da Galp Carlos Silva.
Por outro lado, mais 30% do total dos trabalhadores da refinaria de Matosinhos irão manter-se, pelo menos, até janeiro de 2024, no âmbito das operações de desmantelamento e descontinuação.
O Estado é um dos acionistas da Galp, com uma participação de 7%, através da Parpública.

Facebook
Twitter
Instagram