O Museu do Douro abre na terça-feira o Espaço Armanda Passos, com 83 obras oferecidas pela pintora, e presta uma homenagem a esta artista plástica nascida no Peso da Régua e à sua carreira.
Fernando Pinto, presidente da Fundação do Museu do Douro, disse à agência Lusa que o novo espaço expositivo reúne a obra que a pintora, natural do Peso da Régua, distrito de Vila Real, ofereceu à unidade museológica.
“É a oferta mais valiosa até hoje recebida pelo museu”, salientou o responsável.
Na obra de Armanda Passos, com 77 anos, estão muito presentes figuras de mulheres, animais e cores vivas. A artista expõe desde 1976, tendo participado em diversas exposições individuais e coletivas e representado Portugal em bienais internacionais.
No Espaço, que aumenta o circuito de visita do Museu do Douro, estarão expostas em permanência 83 das obras que desenvolveu em óleos, serigrafias e gravuras.
“Com esta iniciativa o Museu perpetua a obra de Armanda Passos no Douro e na Régua, terra onde nasceu”, salientou Fernando Pinto.
O responsável destacou a importância do trabalho da pintora a “nível nacional e internacional”. “Portanto, tê-la na Régua e no Museu do Douro é um acréscimo de valor inimaginável”, sustentou.
Armanda Passos licenciou-se em artes plásticas pela Escola Superior de Belas-Artes do Porto, atual Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto (FBAUP), cidade onde vive e trabalha e onde realizou a sua primeira exposição individual.
Na semana passada, a ministra da Cultura, Graça Fonseca, visitou a pintora Armanda Passos, no Porto, naquilo que foi descrito pelo ministério como um “encontro emotivo, e há muito desejado por ambas”.
Entre as distinções que recebeu destaca-se o prémio do Ministério da Cultura (1984) e a atribuição da Comenda da Ordem de Mérito (2012) da República Portuguesa.
Do seu percurso, o Museu do Douro evidência duas exposições individuais antológicas realizadas pela Universidade do Porto (UP), as “únicas dedicadas a um artista plástico” nas comemorações do Centenário da UP, bem como a exposição realizada por ocasião do seu 75º aniversário – 75 anos, 75 escritas.
Além de coleções privadas e institucionais, Armanda Passos integra coleções museológicas como o Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian, Fundação Champalimaud, Museu de Serralves, Museu do Chiado, Museu Berardo, Museu Amadeo Souza Cardoso, Coleção Millenium BCP e a Coleção da Presidência da República (Palácio de Belém).

Facebook
Twitter
Instagram