A Câmara de Gondomar irá disponibilizar uma verba de 2.2 milhões de euros para a remoção dos resíduos perigosos, detetados nas antigas minas de carvão.
Segundo o presidente da cidade de Gondomar, Marco Martins, o local tem aproximadamente mais 28 mil toneladas de resíduos do que os cálculos iniciais, no entanto “a boa notícia é que o ministro do ambiente, Matos Fernandes já se comprometeu a fazer uma adenda ao contrato e vai disponibilizar mais 2,2 milhões de euros. Aplaudimos a decisão porque assim não há interrupção de trabalhos como aconteceu na primeira fase”.
Após terem sido retirados já 105 600 toneladas de resíduos industriais periogosos, o estudo revela que o local ainda possui 137 toneladas. Assim sendo as 28 mil toneladas representam 20% do total por retirar. “Existe um problema, foi detetado, mas também já há solução”, explica o presidente da autarquia.
O autarca indicou que os trabalhos “que iriam acabar em agosto deste ano devem prolongar-se até outubro”.
Esta situação é relativa a 2001/2002, em que as toneladas de resíduos industriais perigosos provenientes da Siderurgia Nacional, foram depositadas em São Pedro da Cova, freguesia de Gondomar, no distrito do Porto, entre 1976 e 1996.
Os trabalhos começaram em 2014 tendo terminado em maio do ano seguinte, com a retirada de 105 600 toneladas.

Facebook
Twitter
Instagram