As eleições presidenciais no Brasil são acompanhadas de perto pelos venezuelanos que acreditam que hoje, domingo, vai haver uma viragem política, em que “um partido será castigado”, mas que o vencedor “tampouco poderá desviar-se” do pretendido pelo povo.

As eleições presidenciais no Brasil são acompanhadas de perto pelos venezuelanos que acreditam que no domingo vai haver uma viragem política, em que “um partido será castigado”, mas que o vencedor “tampouco poderá desviar-se” do pretendido pelo povo.
“Todos sabemos quem vai ganhar e quem será castigado. Os brasileiros querem mudança e um dos candidatos sairá beneficiado desse voto, apesar de que nem um nem outro candidato poderá governar como deseja, porque o povo impedirá que se desviem”, explicou Aurélio Araújo à Agência Lusa.
Com 45 anos, mulher e três filhos, o taxista considera que “a viragem” política no Brasil influenciará toda a América Latina.
“A Venezuela está a perder força, ficando isolada internacionalmente e o Brasil é um gigante, que tem todas as possibilidades de inverter a degradação e os resultados negativos em aspetos como a economia, a pobreza, e a segurança, mas necessitará alguns anos para poder fazê-lo”, disse.
“Exemplo disso é a pouca solidariedade com os venezuelanos que cruzaram diariamente a fronteira. Entre ambos países o que sempre predominou foram os interesses económicos”, frisou.
Por outro lado, apesar dos problemas “a Venezuela não é a coisa mais má do mundo, como tentam pintar lá fora (no estrangeiro)”, acrescentou.