As eleições em São Tomé e Príncipe ocorreram há praticamente uma semana mas os resultados eleitorais continuam para apuramento e a não serem oficial e exatamente divulgados pelos órgãos competentes devido a interferências do grande perdedor das eleições, o ex-primeiro-ministro demissionário, Patrice Trovoada, por final de mandato como ditam os resultados eleitorais. 

A maioria já não pertence ao partido de Patrice por vontade dos eleitores e isso ele não aceita. Prepotente, absolutista, golpista, batoteiro, a vitória dos partidos adversários não lhe agradam por perder a oportunidade de prosseguir em mais anos de mandato – talvez durante décadas. Tenta a todo o custo vencer na “secretaria” o resultado das eleições que, sem dúvidas, os eleitores expressaram não querer mais continuidade governativa do cacique Patrice Trovoada e seus correlegionários.
Pode dizer-se com propriedade que hoje São Tomé vive quase a ferro e fogo e que as intimidações por parte de Patrice demonstram quanto ele já “perdeu a cabeça” na sua fúria por ser desalojado do primado da governação. Mau feitio de ditador que indubitavelmente conquistou a maioria nas anteriores eleições por via de falsas promessas e de algumas batotas que vieram crescentemente demonstrando a sua personalidade antidemocrática, mais semelhante e em sintonia com o seu vizinho Teodore Obiang da Guiné Equatorial.
Os santomenses não perderam a oportunidade de aproveitar estas eleições para reduzirem democraticamente Patrice,  seus correlegionários e o seu partido à dimensão minoritária no panorama político do país. Categoricamente afirmaram não quererem a governação de um cacique de métodos  antidemocráticos, que ao longo do seu mandato fez prevalecer a exclusão dos que dele discordavam e/ou o enfrentavam. A purga ocorreu na Justiça, na Comunicação Social (TV, rádio e jornais) e nos mais recônditos organismos de que ele tudo fez para apoderar-se.
Ainda ontem, 13.10.2018, após praticamente uma semana  das eleições, os são tomenses nada sabem de exato sobre os resultados das eleições depois de a primeira conclusão ser favorável à demonstração de que Patrice e os seus partidários perderam a maioria parlamentar que por enganosa sedução Patrice havia conseguido nas eleições anteriores. É parte disso que trazemos aqui no TA, para além da violência e das continuas manobras desestabilizadoras do despeitado cacique Patrice Trovoada.
O momento em STP é melindroso apesar da vitória dos partidos oponentes a Patrice. O ainda primeiro-ministro em exercício por mais alguns dias – se o resultado eleitoral for respeitado – pode conseguir o golpe e o volte-face da situação caso seus correlegionários nas forças de segurança, na Justiça e noutros organismos, avancem sem pudores para a concretização de uma fraude eleitoral sem precedentes mas que o mantenha nos poderes. Compete aos santomenses manterem-se muito atentos e ativos na defesa da democracia e da transparência.

Facebook
Twitter
Instagram