A AirHelp, empresa especializada na defesa dos direitos dos passageiros aéreos, estima que a greve europeia na Ryanair, marcada para a amanhã sexta-feira, 28 de Setembro, possa afectar 190 voos e cerca de 30 mil passageiros, calculando em 8,4 milhões de euros o total de compensações que a companhia deverá ser obrigada a pagar aos passageiros afectados.

“No protesto irão participar os tripulantes de cabine baseados na Bélgica, Espanha, Holanda, Itália, Portugal e Alemanha. No total, a greve deverá afectar cerca de 190 voos e 30.000 passageiros. Cerca de 8,4 milhões de euros será a quantia global a que os passageiros dos voos afectados pela greve poderão ter direito a receber”, refere a AirHelp numa nota enviada à imprensa, onde esclarece que os passageiros da Ryanair também têm direito a compensação.
“No seguimento das perturbações em voos registadas em Julho, foi reportado por alguns media que a Ryanair declarou que estes acontecimentos foram causados por «circunstâncias extraordinárias» e, por isso, não existe direito a compensações. No entanto, na eventualidade de a companhia adoptar uma posição similar, a AirHelp lembra que, este ano, o Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE) decidiu que as greves de pessoal não são consideradas «circunstâncias extraordinárias»”, lê-se na informação enviada à imprensa.
Segundo Bernardo Pinto, Brand Manager e especialista da AirHelp em direitos dos passageiros, “as decisões do TJUE são vinculativas para todos os tribunais da UE e aplicam-se a todas as companhias, incluindo a Ryanair”, pelo que, aconselha o responsável, “os passageiros afectados não se devem deixar enganar pela declaração falsa da Ryanair, pois, actualmente, todas as greves de pessoal das companhias aéreas deixam de ser consideradas circunstâncias extraordinárias”.
A AirHelp lembra que, no caso de atrasos superiores a três horas, cancelamentos de voos ou impedimento de embarque, os passageiros podem ter direito a uma compensação até 600 euros por pessoa, desde que o aeroporto de partida se encontre dentro da UE ou que a companhia aérea tenha sede na EU e sempre que a razão da perturbação seja causada pela companhia.
Recorde-se que a greve  na Ryanair decorre esta sexta-feira, 28 de Setembro, tendo sido convocada  pelos tripulantes de cabine baseados na Bélgica, Espanha, Holanda, Itália, Portugal e Alemanha.

Facebook
Twitter
Instagram