O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) pretende trabalhar com o Serviço de Migração e Estrangeiros, no sentido de ver resolvido a questão da documentação dos refugiados e requerentes de asilo, fez saber, em Luanda, a sua representante Philippa Candler.

Após a apresentação do balanço geral do ciclo de palestras sobre “O papel da comunicação social na protecção dos refugiados”, a representante da ACNUR, referiu que a falta de documentação ou a sua caducidade tem causado inúmeros constrangimentos aos refugiados e requerentes de asilo, uma vez que interpelados pela polícia, não têm como se identificar e acabam detidos.
Face a esta situação, a representante da ACNUR avançou que estão a ser analisados junto do SME a possibilidade da realização mediante ao seu apoio técnico, uma campanha de registos dos refugiados e requerentes de asilo em Luanda.
Philippa Candler considerou ainda a situação dos refugiados em Angola como favorável, uma vez que o governo angolano tem cumprido com os programas a desenvolver, mas a questão da documentação dos refugiados e requerentes de asilo que estão em Luanda, tem preocupado a organização.
No que se refere ao papel da comunicação social na situação dos refugiados em Angola, a representante da ACNUR, Philippa Candler, que tem sido positivo, uma vez que o ciclo de palestras aumentou os conhecimentos técnicos dos profissionais em matéria da abordagem de assunto que tem a ver com os refugiados.
“A imprensa pode trazer a voz dos refugiados ao público angolano, no sentido de termos um ambiente positivo para a protecção dos refugiados”, referiu.

Facebook
Twitter
Instagram