À semelhança da paisagem do Douro, o património da primeira região demarcada do mundo é também um mosaico de contrastes. Ao lado de modestas ermidas, veem-se amplas igrejas e grandiosos mosteiros.

Os mosteiros, as igrejas, as catedrais, os santuários e os centros históricos das aldeias vinhateiras maravilham e encantam qualquer um pela sua monumentalidade, mas também pela criatividade e beleza.
Tire, pelo menos, dois dias e faça a Rota do Douro Maravilhoso. O percurso junta monumentos de diferentes épocas e estilos arquitetónicos, que se sobrepõem uns aos outros nos socalcos dos vinhedos. Das Fragas de Panóias ao Mosteiro e Igreja de S. João de Tarouca, passando pela Sé de Lamego.
Edifícios monumentais, quase todos eles classificados como monumentos nacionais ou de interesse público, com dimensão espiritual, tradição popular e valor material.
A rota começa no concelho de Vila Real, na Fraga de Panóias, monumento nacional, santuário pagão do século III, dedicado a Serápis. O local, que foi dedicado a cultos indígenas, divindades orientais e deuses romanos, é uma joia da arqueologia em Portugal. Saiba mais sobre os rituais de outros tempos.
Se tiver oportunidade, prove a gastronomia vilarealense: as iguarias mais apreciadas são a vitela maronesa, o cabrito assado, as tripas aos molhos, os covilhetes, o joelho da porca, as bolas de carne, os enchidos e os doces conventuais “cristas de galo” e “pitos de Santa Luzia”.

Facebook
Twitter
Instagram