Duas embarcações com 450 migrantes resgatados no sábado vindos da Líbia para Itália estão junto à ilha Sicília, à espera que o Governo italiano transfira estas pessoas para outros países europeus, como Malta, França e Alemanha.

Na madrugada de sábado, 450 migrantes foram transferidos para navios militares após terem chegado de barco à ilha italiana de Lampedusa, no Mediterrâneo central, vindo da Líbia. Aquelas embarcações estão junto ao porto de Pozzallo, na Sicília, relata a imprensa local.
Em causa estão os navios “Monte Sperone”, da Guardia di Finanza, a força policial italiana para as fronteiras e crimes fiscais, e “Protector”, da agência de controlo de fronteiras europeia Frontex, que têm a bordo 176 e 266 migrantes, respetivamente.
De acordo com a imprensa local, uma equipa médica observou os ocupantes da embarcação “Monte Sperone”, entre os quais crianças, mas não retirou nenhum dos migrantes por motivos de saúde.
Até ao momento não se sabe qual o destino de todos, mas, dos 450 totais, 100 migrantes serão transferidos para França e Malta, países que receberão 50 cada após terem aceitado o pedido enviado por carta pelo primeiro-ministro de Itália, Giuseppe Conte.
Entretanto, também a Alemanha acedeu ao pedido, afirmando que, “com vista às negociações em curso para uma maior cooperação bilateral em questões de asilo” irá receber 50 pessoas.
O Governo italiano, composto pela Liga de Matteo Salvini e o Movimento 5 Estrelas, espera que as restantes pessoas sejam acolhidas por outros países europeus.
Também o ministro dos Negócios Estrangeiros, Enzo Moavero Milanesi, começou a contactar embaixadas de outros países europeus para “solicitar disponibilidade aos respetivos governos para acolherem uma parte destes migrantes”.

Facebook
Twitter
Instagram