“Public Without Rhetoric“ é o projeto selecionado para representar Portugal na 16.ª Bienal de Arquitetura de Veneza. Nuno Brandão Costa, docente e investigador da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto (FAUP), e Sérgio Mah propõem um percurso pelo “Edifício Público” de autoria portuguesa, através de 12 obras “criadas num momento em que a Europa Ocidental se confronta com os seus limites e possibilidades e a arquitectura acentua o seu inconformismo, reforçando o seu papel na intervenção política e social”.

“A Representação Oficial Portuguesa é, este ano, a afirmação da Arquitetura enquanto forma de celebração da experiência do espaço público e destaca a importância primordial do arquiteto na construção das vivências nas sociedades contemporâneas”, refere em comunicado de imprensa a Direção-Geral das Artes (DGARTES).
Entre as obras representadas contam-se vários projetos da autoria de professores da FAUP. É o caso do edifício do I3S, Instituto de Inovação e Investigação em Saúde, Porto, da autoria do escritório Serôdio Furtado Associados (Isabel Furtado e João Pedro Serôdio, docente na FAUP), mas também os projetos para os Molhes do Douro de Carlos Prata, o Arquipélago – Centro de Artes Contemporâneas, Ribeira Grande de João Mendes Ribeiro e Menos é Mais (Cristina Guedes e Francisco Vieira de Campos, docente convidado da FAUP), e a Estação de Metro Município, Nápoles, de Álvaro Siza, Eduardo Souto Moura e Tiago Figueiredo.

Facebook
Twitter
Instagram