Sem surpresas, Nicolás Maduro venceu as presidenciais na Venezuela. A oposição quer nova votação. Panamá e Chile não reconhecem resultados.

O mandato começa em 2019 e vai até 2025. São mais seis anos de Nicolás Maduro como presidente da Venezuela. O chefe de estado foi reeleito com quase 70% dos votos, o que corresponde a cerca de seis milhões de pessoas num universo de 20 milhões de eleitores.
Pouco antes do resultado oficial ser divulgado, Nicolás Maduro discursou no Palácio de Miraflores, a sede da presidência, e reivindicou a vitória.
“Tomem nota todos aqueles que têm de tomar nota: Esta é a vitoria numero 22 em 19 anos. Quanto se substimou o povo revolucionário, quanto me subestimaram a mim. E aqui estamos vitoriosos outra vez, aqui estamos com o povo disposto a trabalhar rumo a um bom país, a uma bela pátria, rumo a uma pátria para todos e todas”.
Maduro convocou os três candidatos derrotados para um diálogo.
O principal adversário Henri Falcon ficou em segundo lugar com 21% e já veio dizer que não reconhece os resultados. Fala de irregularidades e pede mesmo novas eleições.
Muitos países tinham já anunciado que não reconheceriam as eleições presidenciais. Os Estados Unidos tinham falado de votações “fraudulentas”. O Panamá e o Chile já vieram anunciar que não reconhecem os resultados das eleições. Consideram que o processo não é democrático falam de falta de legitimidade.
O Canadá e a União Europeia tinham já referido que a eleição não é justa, nem transparente.

Facebook
Twitter
Instagram