A decisão da transmissão da titularidade da obra do liceu Alexandre Herculano para Câmara do Porto foi aprovada por unanimidade em sessão extraordinária da Assembleia Municipal. Para este órgão autárquico, a cidade resolveu um problema há muito adiado pelo Estado central.

Trata-se da melhor solução encontrada para as obras que são prementes na Escola Alexandre Herculano, admitiram os deputados municipais na sessão extraordinária da Assembleia que decorreu nesta segunda-feira.
Satisfeitos com o acordo agora alcançado – porque, acima de tudo, resolveu um impasse que se prolongava desde 2009, altura em que o primeiro projeto de requalificação, no valor de 15 milhões de euros, foi apresentado – os deputados municipais divergiram, contudo, na admissão de responsabilidades do Estado central na condução deste dossiê.
Para o PS, na voz do deputado Tiago Barbosa Rodrigues, há motivos para a cidade “regozijar pela celebração deste acordo entre o Governo e o Município, que vai permitir requalificar e modernizar uma das escolas mais emblemáticas da cidade”, até porque, em 2011, referiu, o “projeto foi suspenso pelo anterior Governo”. Neste contexto, salientou, vive-se um “clima favorável à descentralização”.
Opinião divergente manifestou a deputada da CDU, Joana Rodrigues, que lembrou ser necessário continuar a “pressionar a Administração Central a cumprir com as suas responsabilidades”, lamentando a condução deste processo por parte dos governos do PSD e PS, que não assumiram uma obra que seria sua, alijando o ónus da empreitada para a autarquia. A propósito, alertou também para a “necessidade de reabilitação da Escola Profissional Infante D. Henrique”, uma “entidade formadora de confiança, com características únicas”.
Por seu turno, da bancada parlamentar do PSD, Francisco Carrapatoso quis “recordar os factos”, dizendo que o projeto apresentado pelo PS era “megalómano” e que se tratava de uma “manifesta ousadia vir agora reclamar os louros”. Além do mais, lembrou que o investimento será dividido em partes iguais entre Estado central e Município.
Do movimento independente Rui Moreira: Porto, o Nosso Partido, André Noronha afirmou que houve um “Governo trapalhão que calçou uma bota que não lhe cabia e que a Câmara do Porto descalçou” e que “agora aparecem todos a perfilhar um filho que não é seu”. Isto porque, como explicou, o Município viu-se obrigado a assumir uma obra que não era sua, porque só assim seria desbloqueada a verba para a obtenção de fundos comunitários (sabendo-se que o anterior Governo fez a inscrição da obra em nome da autarquia, sem o seu conhecimento).
Face a esta explicação, declarou: “Regozijemo-nos sim, porque foi a Câmara do Porto que resolveu o problema”.

Facebook
Twitter
Instagram