Será inaugurada no próximo sábado, 17 de fevereiro, pelas 17h a exposição individual de Ana Sousa Santos, no Centro de Memória de Vila do Conde “O corpo arrasta-se no tecido cru”
É o tema do trabalho em que o corpo surge como o meio de ligação entre a matéria e o suporte que dá o título à exposição. Dá-se o estudo de registos que este provoca em inúmeras superfícies, encontrando diversas soluções plásticas, de relevo baixo ou alto, ou simplesmente pela marca do digital. Existe uma procura pelas formas mais primitivas, mais básicas de prints da pele, com tintas naturais/orgânicas ou simplesmente com a própria transpiração.
Este trabalho procura encontrar no observador, sensações positivas ligadas ao belo, ao corpo, ao feminino, à natureza que é completamente identificativa; mas também procura no observador o lado inconsciente de repulsa, do negativo, da sua natureza humana com todas as suas caraterísticas. O observador acaba por ver-se a ele próprio na obra.
Partindo da experiência com o seu próprio corpo a artista decide estudar as suas várias projeções. Existe um constante proteger da imagem em relação ao exterior, e tornando a imagem final, crua e grosseira como forte em si, como uma marca firme de uma presença.
Todas as obras apresentadas na exposição dizem respeito à ordem empírica e do seguimento de ideias que resultaram num acumular de sugestões e de respostas pertinentes.
A exposição pode ser visitada de terça a domingo, entre as 10h e as 18h, até 13 de maio. No dia da inauguração a entrada é livre.

Facebook
Twitter
Instagram