O Museu Municipal Amadeo de Souza-Cardoso (MMASC) cedeu um conjunto de obras ao Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofía, em Madrid, para a exposição “Pessoa. Toda a arte é uma forma de literatura”, que decorrerá entre 7 de fevereiro e 7 de maio.

Dos trabalhos em causa, sete são da autoria de Amadeo de Souza-Cardoso, sendo cinco propriedade do Município e dois de um colecionador particular. Emprestadas foram ainda seis obras do espólio do escritor Teixeira de Pascoaes, que, recorde-se, foi anteriormente adquirido pelo Município de Amarante. Destas, quatro, são aguarelas da autoria do escritor e duas são missivas dirigidas a Pascoaes, uma de Miguel Unamuno e outra de Federico Garcia Lorca.
A par da exposição o Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofía acolherá ainda um ciclo de debate.
Mais de 160 obras de arte, de 20 artistas de várias nacionalidades, provenientes de diversas coleções privadas e de instituições dão vida a esta exposição que tem como título uma citação de Álvaro de Campos, um dos heterónimos mais vanguardistas de Fernando Pessoa (Lisboa, 1888-1935).
“Através da prolífica produção textual dos seus mais de cem heterónimos, Pessoa criou a sua própria vanguarda e tornou-se o intérprete excecional da crise do sujeito moderno e suas certezas, transferindo para o trabalho uma múltipla alteridade que atribuiu à sua desorientação existencial.
“Paulismo”, “Intersecionismo” ou “Sensacionalismo” são alguns dos termos cunhados pelo poeta nos seus numerosos textos e que vertebraram a especificidade da modernidade portuguesa. A exposição utiliza esses ismos para articular uma história visual da cena portuguesa, reunindo uma seleção de obras de José de Almada Negreiros, Amadeo de Souza-Cardoso, Eduardo Viana, Sarah Affonso e Júlio Pomar, entre outros, relacionados com as principais correntes estéticas portuguesas desde o início do século XX até 1935.
Aquelas correntes mostraram a inevitável influência das tendências europeias dominantes, mas tentaram, contudo, distanciar-se delas. Diferentes escritos de Pessoa dão conta do lugar particular desses ismos de sua colheita, bem como do seu caráter distintivo no contexto europeu, com alusões explícitas, por exemplo, às diferenças entre “Futurismo” e “Intersecionismo”. Por outro lado, várias dessas obras refletem o gosto pela cultura popular e idiossincrática lusas, que aparecem tanto no trabalho dos artistas portugueses que viajaram para Paris, quanto nos estrangeiros que decidiram passar uma temporada em terras portuguesas, como Sónia e Robert Delaunay.
A exposição dedica também especial atenção às revistas publicadas durante este período, como A Águia, Orpheu, K4 O Quadrado Azul, Portugal Futurista ou Presença, em que apareceram alguns dos textos de Pessoa que serviram de caixa de ressonância para as ideias de vanguarda, exercendo uma grande influência estética e ideológica sobre a intelectualidade portuguesa da primeira metade do século XX.

Pessoa vanguardista: ciclo de debate
O programa “Pessoa: uma breve história da arte moderna”, que acompanha e complementa a exposição “Pessoa. Toda a arte é uma forma de literatura” que o Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofía dedica à vanguarda portuguesa a partir da leitura do trabalho do poeta português, procura aproximar-se de diferentes perspetivas para uma das narrativas mais complexas, enigmáticas e múltiplas da história da Literatura.

Facebook
Twitter
Instagram