A partir de hoje o programa “Porto de Tradição” está mais robusto. O regulamento aprovado na reunião de Câmara define isenções fiscais e outras medidas especiais a atribuir aos estabelecimentos históricos classificados no âmbito da iniciativa. Neste momento, como informou o vereador responsável pelo Pelouro da Economia, do Turismo e do Comércio, Ricardo Valente, há 40 estabelecimentos reconhecidos pelo programa e nove encontram-se em fase de consulta pública. 
A discussão avança agora para o domínio público durante os próximos 30 dias. Entre as medidas aprovadas no regulamento encontram-se “incentivos fiscais aplicados à Zona Histórica independentemente da localização geográfica” do estabelecimento, a “isenção de taxas de publicidade e ocupação do domínio público” e a “formação e consultadoria”.
O documento, que foi aprovado por unanimidade, engloba quer os estabelecimentos comerciais ou entidades de interesse histórico e cultural ou social local, com ou sem fins lucrativos, quer os proprietários ou arrendatários do imóvel em que esteja situado o estabelecimento ou a entidade reconhecida pelo programa Porto de Tradição.
Como explicou Ricardo Valente, ante algumas dúvidas levantadas pela vereadora da CDU, Ilda Figueiredo, o reconhecimento e a classificação dos estabelecimentos é válida por um período mínimo de quatro anos, podendo ser automaticamente renovada, caso não sejam verificados incumprimentos. Mas, “na hipótese de os critérios deixarem de ser cumpridos”, sendo que essa monitorização contínua existe, “o artigo 11.º do regulamento prevê a sua revogação”, clarificou o vereador.
Para além disso, vincou, todo o processo de classificação obedece a um nível duplo de validação. “Na cronologia do procedimento da grelha de avaliação dos candidatos, as notas atribuídas pela Comissão Técnica estão sujeitas ao contraditório do Grupo de Trabalho, que pode não as validar”, acrescentando ainda que o grupo é composto por pessoas externas à Câmara do Porto.
Entre os fatores estipulados para o reconhecimento dos estabelecimentos do Porto de Tradição, é contabilizada a “longevidade reconhecida” da atividade, a “continuidade na família/empregados”, a “marca e produtos identitários” e a “viabilidade económico-financeira da atividade”. São também majorados outros fatores de ordem mais patrimonial, como a “arquitetura e imagem interior e exterior”, o “espólio” e a “representação social” do estabelecimento, sendo igualmente relevante o “reconhecimento, notoriedade e significado da empresa/estabelecimento para a história, arte e cultura da cidade”.
Facebook
Twitter
Instagram