O Executivo Municipal aprovou hoje por unanimidade aceitar a doação da biblioteca particular do advogado e fundador do PPD/PSD Miguel Veiga, falecido em 2016, que inclui várias preciosidades bibliográficas, como revistas literárias do início do século XX e primeiras edições de autores portugueses, num total de 20 000 volumes e exemplares.
Apresentada pelo presidente da Câmara, a proposta assenta na vontade expressa de Miguel Veiga para que a sua biblioteca e de seu pai, Luís Veiga, fosse tornada acessível ao público, pelo que o respetivo protocolo de doação será assinado entre a autarquia e a viúva de Miguel Veiga.
No documento levado à reunião de Câmara desta manhã, Rui Moreira sublinhava “a enorme mais-valia que esta doação representa no enriquecimento das coleções bibliográficas disponíveis à leitura para o público em geral”, tendo em conta a dimensão da biblioteca, o seu valor patrimonial e também a circunstância de ter sido constituída por duas figuras notáveis ligadas à cidade do Porto.
A partir da assinatura do protocolo, o Município irá iniciar o trabalho de  tratamento documental da coleção, incluindo a catalogação de todas as obras que passarão a integrar o catálogo coletivo das Bibliotecas do Porto, garantindo que a respetiva descrição bibliográfica menciona que provêm da Biblioteca Luís e Miguel Veiga e que todas as obras que compõem a doação são marcadas com um ex-libris identificador da coleção. O acervo será disponibilizado ao público leitor, integrando os catálogos físicos e digitais das Bibliotecas do Porto, ao ritmo de 2 000 livros/ano, estando 50% da coleção (10 000 livros) acessíveis no período de cinco anos.
Na biblioteca de Miguel Veiga predominam temáticas ligadas à literatura e às artes, ao pensamento ou à política, em língua portuguesa e estrangeira, abrangendo a parte final do século XIX, todo o século XX e princípios do atual.
Nascido no Porto a 30 de junho de 1936, Miguel Luís Kolback da Veiga licenciou-se em Direito na Universidade de Coimbra e exerceu advocacia ao mesmo tempo que se embrenhava na vida política, sendo um dos impulsionadores do PPD/PSD juntamente com os fundadores Sá Carneiro, Pinto Balsemão e Magalhães Mota, em 1974, e tendo sido deputado à Assembleia Constituinte. Apoiante de Rui Moreira na candidatura à Câmara do Porto, em 2013, Miguel Veiga seria agraciado pela autarquia com a maior distinção municipal – a Medalha de Honra da Cidade – em 2015, vindo a falecer a 14 de novembro de 2016, com 80 anos.
Facebook
Twitter
Instagram