Foi com o retorno ao palco dos projetos Repórter Estrábico, Holy Nothing e Mirror People que o ciclo Porto Best Of realizou o seu último espetáculo de 2017, na noite passada, no Rivoli. 
 Esta temporada promovida pela Câmara do Porto e com curadoria de Miguel Guedes (líder dos Blind Zero) provou, assim, que a música eletrónica continua viva, designadamente a feita no Porto, já que foram reinterpretados temas mais antigos e evidenciadas as direções que cada uma das bandas segue na atualidade.
 Muito mais do que revivalismo, o Porto Best Of tem vindo a promover a revisitação dos trabalhos mais emblemáticos de cada banda convidada, dedicando os diferentes espetáculos a diversos estilos e tendências musicais.
Assim, além das três bandas que ontem mostraram a música eletrónica feita na cidade, o ciclo apresentou neste ano concertos de Três Tristes Tigres, Old Jerusalem e Dan Riverman numa noite dedicada à palavra; as cadências rítmicas dos Jafumega e Marta Ren & The Groovelvets; e Clã e Best Youth na noite da pop.
Em 2016, o Porto Best Of trouxera já de volta os GNR e os Lobo, pondo o foco na pop; Dealema e Capicua, na noite hip-hop; Tarântula, Equaleft e Redemptus, a lembrar as raízes do metal da cidade; e Expensive Soul e Cru, na noite soul e funk.
Facebook
Twitter
Instagram