A Câmara Municipal de Espinho não aceita que em nome da escassez de recursos humanos na área administrativa sejam reduzidos os horários de atendimento e consultas nas Unidades de Cuidados Primários de Saúde em Silvalde e em Paramos.

A redução do atendimento em três horas diárias dos dois Centros de Saúde que até aqui funcionavam ininterruptamente entre as 8 e as 18 horas, passando a funcionar a partir do dia 11 de Dezembro apenas entre as 9 e as 13 horas da parte da manhã e entre as 14 e as 17 horas da parte da tarde , constitui uma medida economicista e contraditória dos princípios do Serviço Nacional de Saúde. A Câmara Municipal de Espinho repudia esta decisão tomada à revelia da Autarquia e das necessidades básicas da população de Silvalde e Paramos. O Agrupamento de Centros de Saúde do Grande Porto/Espinho-Gaia com a conivência da ARS-Norte e do governo são responsáveis por esta decisão que faz parte de uma estratégia de cativações, redução de serviços e de custos que atinge e prejudica os utentes mais fragilizados e para quem os serviços públicos de saúde são absolutamente indispensáveis. A Câmara Municipal de Espinho exige a revogação imediata desta medida que agrava ainda mais os constrangimentos já existentes na área da saúde em Espinho e em particular nos Centros de Saúde de Silvalde e Paramos. A Câmara Municipal de Espinho, que já suporta e garante o transporte municipal diário da população para consultas e exames no Centro Hospitalar de Gaia para colmatar o encerramento da urgência do Hospital Nossa Senhora da Ajuda não se conforma, nem aceita que uma decisão administrativa ponha em causa o atendimento médico e de enfermagem a que a população das freguesias de Silvalde e de Paramos têm legítimo direito. A Câmara Municipal de Espinho que não foi previamente auscultada, como aliás deveria, está todavia disponível para apoiar transitoriamente uma solução que garanta a vigência do horário anterior, até que a ARS e o Ministério da Saúde abram condições ao ACES Gaia/Espinho para a resolução definitiva desta situação.

Facebook
Twitter
Instagram