De regresso a Oliveira de Azeméis, depois de ter participado no Miss International Beauty Pageant, no Japão, Ana Rita está agora disposta a fazer mais pela sua terra.

Ainda mal refeita dos momentos emocionantes que viveu no Japão, onde participou no Miss International Beauty Pageant, um dos concursos de beleza mais relevantes, Ana Rita Marques garante que não vai desistir de tentar alcançar o seu sonho: singrar no mundo da moda.
A jovem oliveirense que foi eleita uma das cinco mais belas do país no concurso Miss Portuguesa 2017 representou Portugal em Tóquio, levando o nome de Oliveira de Azeméis mais longe. Não alcançou um lugar no top 15, como era sua pretensão, mas nem por isso se sente derrotada ou desanimada. “Nunca pensei que pudesse ir tão longe, mas agora sei que consigo fazer muito mais. Agora está na altura de fazer a coisa pela minha cidade”, afirmou aos microfones da Azeméis FM.
O facto de ter contactado com uma nova realidade não deslumbrou a jovem oliveirense, que garante que veio do Japão “com mais humildade”. “Lá, vi como as coisas realmente são e percebi que tenho de trabalhar muito para conseguir ter alguma coisa de valor. Não podemos esperar que aquilo que desejamos venha até nós”, referiu a jovem.
Disposta a abraçar todos os projetos que lhe sejam propostos, sejam eles de cariz solidário ou de outra natureza, Ana Rita sonha também “atingir algo grande”, que a orgulhe a si e aos oliveirenses. E o apoio que tem recebido de familiares e amigos dá-lhe forças para continuar. “Quando fui à eleição da Miss Entre Douro e Vouga senti-me desmotivada, achei que não ia ganhar, questionei o que estava lá a fazer, mas fui atá ao fim, acreditei em mim e a verdade é que me classifiquei no top 5 da Miss Portuguesa. Concluí que se estava ali é porque tinha algum potencial e, se as outras pessoas que me rodeavam acreditavam em mim, porque é que eu não haveria de fazê-lo?”, sublinhou, deixando uma mensagem de incentivo aos jovens. “Têm de acreditar neles e nos seus sonhos. Se acreditarmos em nós próprios e nos objetivos que queremos alcançar, conseguiremos ter mais força para lutar”.
Pisar um palco internacional, vestindo um traje típico do Grupo Folclórico de Cidacos e uma faixa de Portugal, fez Ana Rita sentir “um peso de responsabilidade enorme”, mas a jovem cumpriu a sua missão com sucesso. Esta é também a opinião do seu pai, Luís Amândio, que, tal como a mãe de Ana Rita, passaram a noite em claro para poderem assistir à participação da filha no concurso, que foi transmitido em direto na página de Facebook do Correio de Azeméis/Azeméis FM. Também o filho mais velho acordou a tempo de assistir à transmissão “Foi uma emoção muito grande, ainda hoje perdura essa lembrança e vai ficar para sempre. A Ana Rita teve a oportunidade de representar Oliveira de Azeméis e Portugal e esteve ao mais alto nível, mais não se podia exigir. O país foi muito bem representado, independentemente de ser a minha filha”, disse Luís Amândio, reconhecendo que a iniciativa do Correio de Azeméis/Azeméis FM ’19 Freguesias, Um Só Coração’ foi decisiva para este sucesso.
Luís Amândio entende também que o apoio dado pela família é essencial, principalmente numa altura em que os jovens “vivem numa indefinição e não sabem bem o que querem”. “Têm de ser incentivados, de ter uma família que lhes faça acreditar que podem ir longe”.

Facebook
Twitter
Instagram