Centenas de professores do Norte concentraram-se, este sábado, no Porto em protesto contra Orçamento do Estado, que não contempla todo o tempo de serviço no descongelamento das carreiras.

Músicas de Jorge Palma, James, Deolinda e mesmo o Hino de Portugal animaram a concentração de várias centenas de docentes de todos os distritos do Norte de Portugal, que se deslocaram até à Praça dos Leões, na Baixa do Porto. Os docentes protestam contra o facto de o “Orçamento de Estado 2018 não contemplar, no quadro do descongelamento das carreiras da Administração Pública, todo o tempo de serviço docente que esteve congelado de 30 agosto de 2005 a 31 dezembro de 2007 e de 01 de janeiro de 2011 a 31 de dezembro de 2017”.
Ao som de ensurdecedores apitos vermelhos e rodeada de bandeiras do Sindicato dos Professores da Zona Norte e faixas, Maria Manuela Oliveira, 41 anos, professora de Físico-Química, e há 15 anos contratada, conta que veio de Monção, percorrendo com os filhos de 6 e 13 anos duas horas de carro.
“Venho aqui hoje para lutar pelos meus direitos e contra as injustiças levadas a cabo a nível dos concursos que têm sido injustos”, declarou a docente de Física e Química à agência Lusa, revoltada por chegar a agosto e nunca saber onde vai ficar colocada e com o facto de o Ministério da Educação “manter a lei norma travão”, que faz com que “professores com quatro contratos sucessivos fiquem à frente de colegas com mais tempo de serviço”.

Facebook
Twitter
Instagram