A recentemente nomeada artista mais influente do mundo pela ArtReview, Hito Steyerl, está nesta terça-feira no Porto para participar no Fórum do Futuro e falar das questões da tecnologia na contemporaneidade. O programa do terceiro dia do festival vai focar-se ainda na humanização da tecnologia e nas transformações que provocou na nossa relação com o universo musical.
 O programa do dia de hoje, no Rivoli, é dedicado à arquitetura, às questões de género, identidade e transfobia e, ainda, ao fim iminente da humanidade, com a participação do arquiteto Sou Fujimoto, da transgénero/genderqueer Mykki Blanco e da bióloga ambiental Elizabeth Hadly.
Amanhã, o Fórum do Futuro começa por olhar para a música e para a forma como nos relacionamos com ela a partir das transformações trazidas pelo advento da eletricidade. Desde logo, a rádio, as gravações, o Youtube ou o live streaming são algumas das transformações que vieram influenciar a criação, a produção, a distribuição e a fruição da música.
O local escolhido para analisar essa influências é, naturalmente, a Casa da Música, onde escutaremos três figuras de topo da vida musical europeia, a partir das 18 horas: Karsten Witt, ex-presidente da Deutsche Grammophon e ex-diretor do Konzerthaus de Viena; Louwrens Langevoort, diretor da Philharmonie de Colónia; e Simon Reinink, diretor do Concertgebouw de Amesterdão.
“Designing the impossible”
Pelas 19 horas, o programa vai até ao Coliseu Porto, onde a designer Nelly Ben Hayoun, conhecida como a ‘Willy Wonka do Design e da Ciência’, explicará por que acredita que a condição humana pode prevalecer sobre a tecnologia.
A possibilidade de autonomização da criação musical a partir da inteligência artificial é um dos pontos a abordar por Nelly Ben Hayoun, que criou em parceria com a NASA uma orquestra espacial. No Porto, durante a sessão “Designing the impossible”, vem abrir espaço para pensamentos, críticas e provocações, e defenderá a importância de desafiar a realidade, projetando um universo hiperreal que reúna sonho e ação social na humanização da tecnologia.
“Outros mundos”
O tema vai ser explorado no Rivoli, a partir das 21,30 horas, com a participação de Hito Steyerl e Trevor Paglen, dois novos membros da lista da ArtReview que integra as personalidades mais influentes no mundo artístico internacional.
 Hito Steyerl destaca-se, tal como Paglen, pela atenção que dá à presença da tecnologia na contemporaneidade, sendo esse um ponto central da sua ação enquanto escritora e artista. Professora de New Media na Universidade de Artes de Berlim, constrói tanto as suas perspetivas artísticas como os seus ensaios a partir das realidades que nos rodeiam, da arte à filosofia, passando pela política e pelo peso excessivo da imagem.
 Trevor Paglen, por seu lado, é um artista e geógrafo que se tem dedicado às temáticas ligadas ao “Big Brother” (vigilância em massa, drones e recolha de dados) e ao multimédia, tendo colaborado como investigador e diretor de fotografia no filme Citizenfour, vencedor do óscar de melhor documentário. Recebeu conceituados galardões da área da fotografia e, já neste ano, foi-lhe atribuído um “MacArthur Genius Grant”, que distingue a “extraordinária originalidade e dedicação” do seu trabalho, bem como determinação com que o realiza.
 “Outros mundos”, o tema da conversa entre Hito Steyerl e Trevor Paglen, com tradução simultânea e moderada pelo curador e escritor Shumon Basar (coautor de The Age of Earthquakes: A Guide to the Extreme Present), servirá para levantar questões relacionadas com o que é efetivamente o mundo de hoje, a dualidade natureza/tecnologia e as profundas transformações que estão a acontecer sem que delas nos apercebamos.
 +Info: A entrada nos eventos do Fórum do Futuro, que decorre até ao próximo dia 11 e que pode conhecer detalhadamente aqui, é livre mediante levantamento de bilhete (máximo de dois por pessoa).
Facebook
Twitter
Instagram