O candidato do PS à Câmara do Porto, Manuel Pizarro, disse hoje que “não foi o PS que usou truques para, à 25.ª hora, romper os acordos estabelecidos”, referindo-se ao seu afastamento do pelouro da Habitação, em maio.

O cabeça de lista participou numa arruada pela rua de Santa Catarina, acompanhado pelo Secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Pedro Nuno Santos, e também pela ex-atleta Rosa Mota, distribuindo rosas e cumprimentos aos portuenses, mas também críticas ao atual autarca.

“Até me surpreendo com a crispação da campanha de Rui Moreira. Começou por atacar as forças partidárias – deixando de fora o CDS-PP porque esse é inatacável no seu discurso –, depois atacou os jornalistas e agora as empresas de sondagens, porque os resultados não lhe agradam”, afirmou, acrescentando que está concentrado em fazer “campanha positiva”, em vez de “andar a fazer ataques abstratos a inimigos imaginários”.

Voltando ao seu afastamento, Manuel Pizarro contou que “está por justificar a razão pela qual este acordo não pôde chegar ao fim”, apontando ainda que o presidente está a perder controlo da sua própria campanha.

“Temos assistido a uma enorme animosidade de Rui Moreira para com o PS e uma gigantesca complacência para com o CDS-PP que conseguiu tomar conta das listas de Rui Moreira e da estratégia também”, referiu.

Acerca dos pedidos de Rui Moreira para uma maioria absoluta, o socialista garante que não precisa disso para governar, apenas precisa que, no próximo domingo, “a maioria dos cidadãos vote no PS”.

“Depois disso já provámos que somos capazes de dialogar com todos e de encontrar as plataformas necessárias para uma governação tranquila da cidade do Porto”, assegurou.

Também o Secretário de Estado considerou “uma honra estar no Porto ao lado de Manuel Pizarro”, realçando que o atual candidato foi uma “inspiração” para o trabalho feito pelo Governo, que está a “provar que, ao contrário do que os outros diziam, é possível viver melhor no país”.

“Durante os quatro anos de mandato em que [Manuel Pizarro] se dedicou ao Porto, mostrou o que é ser socialista na autarquia, sempre ao lado das pessoas. É este exemplo que precisamos no país e no Porto. A alegria está a chegar ao Porto, vamos ganhar as eleições, já ninguém nos para”, finalizou Pedro Nuno Santos.

São candidatos à Câmara do Porto o independente Rui Moreira (atual presidente do município), apoiado pelo CDS-PP e MPT, o socialista Manuel Pizarro, Álvaro Almeida, pela coligação PSD/PPM, Ilda Figueiredo, da CDU, João Teixeira Lopes, do BE, Bebiana Cunha, do PAN, Costa Pereira, do PTP, Sandra Martins, do PNR, e Orlando Cruz, do PPV/CDC.

Facebook
Twitter
Instagram