A capela seiscentista de Nossa Senhora das Verdades, monumento desativado ao culto religioso no centro histórico do Porto, vai ser um centro de acolhimento para os peregrinos que passem pelo Porto, anunciou esta terça-feira o presidente da câmara, Rui Moreira.

“É objetivo central da Câmara Municipal do Porto a sinalização do Caminho [Português da Costa dos Caminhos de Santiago] que inicia no Cais da Ribeira (…), bem como a criação de um centro de acolhimento e orientação para os muitos peregrinos que chegam e partem do Porto”, revelou hoje à tarde Rui Moreira, durante a apresentação do projeto intermunicipal “Valorização dos Caminhos de Santiago — Caminho Português da Costa”, projeto que conta com a participação de dez municípios do Norte de Portugal.

O novo centro de acolhimento a peregrinos vai ficar instalado na capela seiscentista de Nossa Senhora das Verdades, um monumento inserido no centro histórico do Porto e que há 20 anos a UNESCO incluiu oficialmente na lista do Património Cultural da Humanidade, acrescentou o presidente da Câmara do Porto.

“Foi a importância patrimonial deste imóvel e a sua localização privilegiada na proximidade da Sé do Porto que nos fez escolhê-lo para o início desta viagem, que liga os dez municípios e nos leva para Santiago”, na Galiza (Espanha), explicou Rui Moreira, consciente de que o caminho de peregrinação até Santiago de Compostela deve ser cuidado para quem o queira percorrer.

Em termos de local de começo do Caminho de Santiago, o Porto assume a terceira posição (6,38%), a seguir à localidade espanhola de Sarria (25,83%) e à francesa de Saint Jean Pied de Port (12,11%). Valença do Minho assume a 10.ª posição (2,44%) e Lisboa é a 20.ª posição (0,85%).

Em 2016 registaram-se perto de 300 mil peregrinos a terminar o caminho de Santiago, ultrapassando o número do último ano santo — 2010 – em que se contabilizaram 272.412 mil peregrinos.

No valor global, o Caminho Português representa 18% e o caminho do Norte é o terceiro em termos de quota.

As três nacionalidades mais fortes a realizar o Caminho de Santiago em 2016 foram a espanhola (44,71%), italiana (8,62%) e alemã (7,64%).

A requalificação do Caminho Português da Costa que hoje foi apresentado no Porto uniu os municípios do Porto, Matosinhos, Maia, Vila do Conde, Póvoa de Varzim, Esposende, Viana do Castelo, Caminha, Vila Nova de Cerveira e Valença.

O projeto, que recebeu o apoio de fundos europeus através do Norte 2020, contou com um investimento global orçado em 2,1 milhões de euros para promover a valorização do património turístico, cultural e religioso, com, por exemplo, a criação de centros de acolhimento e albergues para peregrinos, uma sinalética e identidade gráfica comuns aos dez municípios do Norte de Portugal e uma página da Internet.

Facebook
Twitter
Instagram