A direção artística de Tiago Guedes atraiu 12 mil espetadores nos primeiros meses do ano ao Teatro Municipal do Porto, que viu hoje apresentado o programa para a segunda temporada de quatro meses de espetáculos, orçados em 250 mil euros.

Depois de, na primeira temporada, conseguir uma taxa de ocupação de “perto de 90%” nos espetáculos de dança no Rivoli, 73% nas peças de teatro do Campo Alegre e 40% nas sessões de cinema do Rivoli, o Teatro Municipal volta a abrir-se ao público para mais uma maratona de espetáculos que arrancam a 07 de abril e terminam a 22 de julho.

Para o vereador da Cultura Paulo Cunha e Silva, hoje presente na apresentação da nova temporada, estes são “números expressivos” e demonstram que o público tem “aproveitado a grande diversidade programática do equipamento” pelo que a agende continuará a “recuperar espaços” do Teatro Municipal do Porto e “a torná-los públicos”.

A nova agenda, hoje divulgada, destaca quatro focos de programação, começando pelo “Rock” que, entre os dias 21 e 25 de abril, inclui um ciclo de cinema com a curadoria de Zé Pedro dos Xutos & Pontapés e um concerto pela “Liberdade do Som” com vários músicos locais a homenagear os Taxi, GNR e Ornatos Violeta em jeito de comemoração da revolução.

Seguem-se “Os Dia da Dança” entre 28 de abril e 16 de maio, um programa ancorado no Dia Mundial da Dança e que a 01 de maio leva ao palco do Grande Auditório do Rivoli Raimund Hoghe com a sua “Evening with Judy” e que a 09 de maio conta “A Ballet Story” de Victor Hugo Pontes.

Entre 28 de maio e 21 de junho é tempo de o FITEI (Festival Internacional de Teatro de Expressão Ibérica) voltar ao Rivoli, com a direção artística de Gonçalo Amorim e cuja programação inclui “Britânico” de Nuno Cardoso, “Os Lusíadas” de António Fonseca, “Tropa Fandanga” do Teatro Praga, “O Amante” do Teatro Expandido!, “Caridade” do Teatro Experimental do Porto e “Hamlet” da companhia Mala Voadora.

O último foco, a decorrer entre 17 e 19 de julho, é dedicado ao “Novo Teatro Novo” que permitirá ao público não só descobrir dois projetos de encenadores cujo trabalho foi desenvolvido no âmbito da Bolsa de Criação Teatro em Campo Aberto mas também a obra de “um dos maiores encenadores franceses da atualidade”, Philippe Quesne.

A agenda do Teatro Municipal vai expandir-se para além dos seus focos e pelos palcos do Rivoli e Campo Alegre vão também passar diversos artistas nacionais e internacionais e ainda espetáculos de teatro musical para proporcionar “um espaço capaz de piscar os olhos a todos os públicos”, acrescentou o vereador.

As “Terças de Cinema” vão manter-se e ocuparão o pequeno auditório do Rivoli, assim como as “Quintas de Leitura” que continuarão a apostar no encontro multidisciplinar entre vários artistas.

O diretor artístico do Teatro Municipal do Porto revelou hoje que o processo para a concessão do café concerto do Rivoli, cujo funcionamento se pretende “articulado”, está “na fase jurídica”, após o que será lançado o concurso, prevendo a sua abertura para “setembro, outubro”.

Facebook
Twitter
Instagram