O autarca não gostou de ouvir o ministro destacar os prejuízos nas quatro rotas recuperadas na pandemia e desafiou-o a acabar com elas, se significar que a companhia aérea “deixa de custar dinheiro” aos portugueses.
O ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, foi ao Parlamento dizer as rotas da TAP para Amesterdão, Milão, Zurique e Ponta Delgada, recuperadas recentemente a partir do aeroporto Sá Carneiro, estão com “46% da lotação em média” e são “neste momento um prejuízo para a TAP”.
Rui Moreira ouviu estas declarações e ironizou que até “são boas notícias”, uma vez que “se são as quatro rotas do Porto que dão prejuízo” à transportadora, o ministro deve “[parar] com elas” e incorporar a companhia aérea na Carris ou na “muito rentável” Soflusa.
“Para Lisboa é óptimo: fica com a TAP que, sem o prejuízo do Porto, deixa de ser um perdócio. Para o resto do país – para a província em que alegremente nos incluímos – é uma maravilha, porque a TAP deixa de nos custar dinheiro”, atacou o presidente da Câmara Municipal do Porto.
Numa publicação no Facebook, o autarca eleito por duas vezes como independente foi ainda cáustico quanto às hipotéticas ligações lucrativas a partir da capital, dando o exemplo da nova rota para Bilbau, que “deve ser um ‘must’ em termos de rentabilidade e importantíssima para uma estratégia nacional”. “Promover visitas ao Gugenheim basco é ‘top’”, acrescenta.

Facebook
Twitter
Instagram