A Associação de Bares da Zona Histórica do Porto disse hoje que o Governo não fecha a porta à atribuição de licenças de funcionamento temporário de discotecas, mas salienta que a decisão cabe à Direção-Geral da Saúde (DGS).
“Da parte deles [Governo] não é nada que não possa ser exequível [o licenciamento temporário daquele tipo de espaços, que se mantêm encerrados devido à pandemia de covid-19], mas tudo passará sempre por parecer da DGS. Ou seja, nada será aberto sem ter um parecer favorável da DGS”, adiantou António Fonseca, presidente da Associação de Bares da Zona Histórica do Porto (ABZHP).
O responsável observou o secretário de Estado do Comércio, com quem se reuniu na terça-feira por videoconferência, acolheu bem a proposta da associação enviada na segunda-feira aos ministros da Economia e da Saúde, para além de se ter comprometido a interceder junto da DGS para que esta receba a ABZHP “o mais brevemente possível”.
António Fonseca referiu que um novo pedido de reunião vai seguir ainda hoje para a DGS, na expectativa de que, após inúmeras solicitações, aquela instituição receba os representantes do setor para discutir medidas com vista à abertura dos espaços de diversão ainda fechados.
Entre as propostas da associação está a criação de um procedimento de atribuição de licenças de funcionamento temporário, mediante a apresentação individual de candidaturas por parte dos estabelecimentos.

Facebook
Twitter
Instagram