No próximo dia 29 de março, Domingo, o “Festival Varandas” está de regresso, invadindo as varandas, pátios e janelas de Lisboa, Porto, Évora e Braga com uma programação cultural diversificada.

A iniciativa, agora designada por “Festival Varandas em Casa” face à pandemia de Covid-19, convida os portugueses a serem protagonistas e espetadores no seu bairro e nas redes sociais, neste período de isolamento social.
A ideia é a de mobilizar, de forma solidária, artistas e criadores, profissionais ou amadores, para atuações e performances para todos os públicos, reforçando igualmente o movimento #fiqueemcasa.
Em Braga, a ação está a ser dinamizada pela zet gallery, que se disponibilizou para organizar as inscrições e criar uma rede de artistas que pretendam participar nesta edição do Festival.
Para aderir ao movimento coletivo cultural domiciliário, basta fazer a inscrição junto da organização através das redes sociais Facebook e Instagram da zet gallery ou email, enviando nome, contacto, proposta — música, poesia, teatro — e local onde vai acontecer. A organização irá compilar as participações e divulgar o horário com todas as sugestões.
O “Festival Varandas”, que coincide com o dia de mudança para horário de verão, tem previstos dois momentos. Às 11h00 realiza-se o “varandinhas”, em que as varandas, pátios ou janelas serão o palco de apresentações, no quadro das artes do palco, para os mais novos, com uma duração de 10 a 30 minutos, e às 17h30, “os varandas”, para os mais velhos, ganham palco com apresentações que se recomendam entre os 15 e os 45 minutos.
O evento propõe ainda que cada participante faça diretos da respetiva atuação, colocando as tag do festival (@festivalvarandas #festivalvarandas #festivalvarandasemcasa #euficoemcasa #ficaemcasa #stayathome #stayhome).
O objetivo é simples, garante Helena Mendes Pereira, diretora-geral e curadora da zet gallery. “Mobilizar, de forma solidária, artistas e criadores para uma ação conjunta sensibilizando, por um lado, para as perdas de 100% que o setor da Cultura atravessa nesta fase e, por outro, apelando a que se encontrem soluções conjuntas para que, mesmo em tempo de pandemia, a cultura não pare.”
O “Festival Varandas” procura ainda combater a solidão incentivando à partilha entre artistas e público, numa altura em que o isolamento social é imperativo social.
“Gostaríamos de não perder o foco no combate à solidão, na partilha dos artistas com o público, de vizinho para vizinho, tentando chegar mesmo àqueles que até por não terem internet ou redes sociais estão mais isolados do que nós”, reforça a organização, adiantando ainda que “a iniciativa prende-se também com a questão de não se perder o direito de “estar ao vivo”, mas também de “ver e ouvir ao vivo”, fazendo-o de forma segura.
Recorde-se que o Festival Varandas é um certame multidisciplinar que nasceu em 2012 e que cruza teatro, música, poesia e novo circo, em eventos que transformam varandas em palcos de performances ao vivo.

Facebook
Twitter
Instagram