Caso está a ser investigado em Espanha pela Audiência Nacional e pelo departamento anticorrupção do Ministério Público espanhol.

Vitorino admite que prestava serviços de consultadoria a uma das empresas, mas omite os pagamentos que terá recebido da ou
António Vitorino, ex-ministro português e actual director-geral da Organização Internacional para as Migrações (OIM), terá recebido 325 mil euros de duas empresas espanholas que são suspeitas de terem participado num esquema de corrupção que envolve a petrolífera estatal venezuelana, a PVDSA.

Facebook
Twitter
Instagram