O Presidente da República defendeu hoje o alargamento da União Europeia aos países dos Balcãs “até para evitar explosões a prazo” e advertiu que “deitar fora a Europa é voltar ao caos interno”.

No último ponto da sua visita de Estado a Itália, durante a qual insistiu na importância do reforço do projeto europeu, Marcelo Rebelo de Sousa retomou esta mensagem, numa conversa de mais de uma hora e meia com estudantes universitários, na sede do município de Bolonha.
Marcelo Rebelo de Sousa defendeu que a Europa “se deve alargar, dentro do possível, ao maior número de países europeus, nomeadamente aos países dos Balcãs, até para evitar explosões a prazo” – uma posição que referiu ser uma das muitas que Portugal partilha com a Itália.
“É um processo, lento, longo, mas em que não se pode fechar a porta a quem está a fazer esforços de crescimento económico e de democracia”, disse.
Por outro lado, o Presidente da República apelou a uma União Europeia com “uma política económica mais ativa”, com “estímulo ao crescimento”, e que seja “mais coesa, menos desigual” e “mais transparente, mais próxima dos cidadãos”.
“Não pode ser um projeto de minorias iluminadas, porque se não os povos rejeitam a Europa. A solução não é deitar fora a Europa, a solução é mudar a Europa. Deitar fora a Europa é voltar ao caos interno na Europa, que já deu várias guerras e também já deu várias ditaduras”, advertiu.
Segundo o Presidente da República, hoje vive-se na Europa “qualquer coisa que faz lembrar há cem anos” e há que “aprender com essa experiência, evitando-a”.
“Por isso, é importante que haja um bloco de países que falem esta linguagem e que evitem clivagens depois irreversíveis, e que ponham a Europa a fazer mais e a fazer melhor, a ultrapassar este período de espera”, considerou.

Facebook
Twitter
Instagram