Não há nomes, mas há perdas de muitos milhares de milhões.

O Banco de Portugal divulgou o relatório com a lista anónima dos devedores incumpridores dos bancos ajudados pelo Estado a pedido do Parlamento.
Os grandes devedores geraram perdas de 3.542 milhões de euros ao Novo Banco. O Banco de Portugal divulgou esta terça-feira a lista dos incumpridores da banca portuguesa. O documento revela as perdas de cada banco que teve ajuda pública nos últimos 12 anos com grandes operações de crédito.
A totalidade dos prejuízos diz respeito a empréstimos que não foram pagos e outros negócios que se revelaram ruinosos. As perdas reconhecidas nos cincos anos anteriores à última intervenção do Estado no banco público (neste caso, junho de 2018) incluem write-offs, vendas, execução de garantias ou reestruturação (sendo que ainda pode recuperar parte do montante).
Além do Novo Banco, estão ainda em causa a Caixa Geral de Depósitos (CGD), o Banif, o BPN, o BCP e o BPI, bancos que desde 2007 já foram apoiados em 24 mil milhões de euros com fundos públicos.
A lista atribui critérios diferentes aos bancos. A definição de grande devedor é delineada consoante o montante da intervenção pública em cada banco: na Caixa é considerado um grande devedor aquele cuja exposição é superior a 62,5 milhões; no BCP o limite mínimo é de 30 milhões.
Por outro lado, a lista foi elaborada no momento de disponibilização do fundo público e as datas diferem de instituição para instituição. Assim, os números não são comparáveis entre bancos. No entanto, o valor mais elevado é encontrado na lista do Novo Banco, que a 30 de junho de 2018 reconhecia perdas acima de 3.500 milhões com operações de crédito e participações em instrumentos de capital.

Facebook
Twitter
Instagram