Intenção do Governo em transformar o edifício em alojamento com renda acessível “não é consentâneo” com a “formatação do espaço”, diz Ricardo Rio.

O presidente da Câmara de Braga defendeu, na segunda-feira, que a intenção do Governo em transformar o edifício do Recolhimento das Convertidas em alojamento com renda acessível “não é consentâneo” com a “formatação do espaço”.
No final da reunião do executivo camarário, na habitual conversa com os jornalistas, Ricardo Rio afirmou ainda estar “surpreendido” com a intenção do Governo em que aquele edifício seja transformado para aquele fim, dizendo que a autarquia não foi contactada.
O edifício do Recolhimento das Convertidas é da propriedade do Ministério da Administração Interna e faz parte da lista apresentada pelo Governo de edifícios da sua propriedade que devem ser rentabilizados.
“Ficamos surpreendidos porque não fomos contactados e achámos que a topologia do imóvel, a sua classificação, a existência da capela, toda a formatação do espaço não é muito consentâneo para o aproveitamento que está agora a ser preconizado”, disse Rio
O autarca explicou que para o edifício, que chegou a ser equacionado como possível localização para a Pousada da Juventude de Braga, o atual executivo “tinha em mente a utilização para fins culturais”.
“O PS tinha uma ideia e o propósito de transformar todo o complexo na Pousada da Juventude e para isso havia financiamento. Esta memória recusou essa visão e entendemos que qualquer que seja a intervenção no edifício é sempre bem-vinda, porque é um edifício com valor histórico que está devoluto no meio da cidade e que faz parte do património histórico de Braga”.
O socialista deu ainda conta da intenção do ministro Pedro Nuno Santos em visitar “rapidamente” o local.
“Estará a ser agendada uma visita técnica ao local com o ministro da tutela da Habitação”, confirmou o presidente da autarquia.

Facebook
Twitter
Instagram