Ex-presidente do Sporting explica ainda o que quis dizer com a frase “Façam o que quiserem”, dita dias antes do ataque à Academia.

O ex-presidente do Sporting Bruno de Carvalho foi ouvido esta quarta-feira, na qualidade de arguido, no âmbito do processo sobre o ataque à Academia do clube, em Alcochete, cuja fase de instrução teve início na terça-feira, em Lisboa.
Hoje, Bruno de Carvalho voltou a dizer que não pediu aos adeptos que invadissem a Academia de Alcochete, em maio do ano passado. O ex-presidente dos leões disse ainda que quanto à frase proferida por si, “Façam o que quiserem” – uma frase central na acusação do Ministério Público – referia-se a tarjas e não a nenhum susto ou às agressões aos jogadores.
O repórter da SIC no local, Diogo Torres, conta estas e outras revelações feitas esta quarta-feira por Bruno de Carvalho, que mencionou também um prémio rejeitado pelos jogadores nas vésperas de um dérbi com o Benfica.

Facebook
Twitter
Instagram