Cabeça de lista dos centristas para as Europeias acusa Eduardo Cabrita de insultar o CDS com argumentos que deveriam ser escusados nesta campanha.

Nuno Melo, cabeça de lista do CDS-PP, respondeu hoje ao “insulto escusado” do “comissário político” Eduardo Cabrita de associar os centristas à extrema-direita europeia, sugerindo-lhe que olhe para o extremismo dos seus parceiros, BE e PCP.
“O PS não está mais próximo de CDU de Merkel [na Alemanha], está próximo da CDU de Jerónimo de Sousa”, afirmou Melo num jantar-comício em Alcobaça, distrito de Leiria, em resposta ao ministro da Administração Interna, a quem chamou “comissário político”.
Para o ministro da Administração Interna, o CDS parece estar “novamente alinhado com a extrema-direita europeia, com [o partido espanhol] Vox, com o senhor Órban da Hungria”, razão pela qual a escolha de domingo, dia de eleições para o Parlamento Europeu, deve ser na Europa “que salva refugiados” no Mediterrâneo.
Hoje, no Barreiro, Setúbal, o dirigente socialista Eduardo Cabrita acusou o CDS-PP de estar a “branquear” a extrema-direita europeia, sugerindo que o PS está mais próximo da CDU de Angela Merkel do que do CDS.
Subscrever newsletter
Se o PS “quer falar de extremismos, fale à sua esquerda” e “olhe bem para BE e para PCP”, disse Melo, acusando os socialistas de terem levado “o extremismo ao poder em Portugal”, afirmou ainda.
Para Nuno Melo, numa escalada do tom usado contra os socialistas, “em Portugal há extremismo, é de esquerda, tem 20% dos votos e foi normalizado pelo PS” quando fez os acordos parlamentares de apoio ao Governo com os partidos à sua esquerda, BE, PCP e PEV.
“Em matéria de extremismos”, afirmou, o CDS sempre foi claro, ao dizer: “Com extremismos não queremos nada, nem à esquerda nem à direita”.

Facebook
Twitter
Instagram