Teme ser mais conhecido por ser do Benfica e comentar futebol na CMTV do que pelas ideias políticas que defende como líder do Chega e da coligação Basta. Acredita que pode ter um lugar no Parlamento Europeu e já está a negociar alianças com o Vox, a Liga Norte e outros partidos internacionais.

O partido chama-se Chega, a coligação é Basta e é este o nome que figurará no boletim de voto. Foi apoiante de Pedro Santana Lopes no último congresso do PSD e ainda ponderaram uma candidatura conjunta, mas “não havia condições”. Foi vereador da Câmara Municipal de Loures, mandato que deixou a meio, depois de ter afirmado publicamente que a comunidade cigana vivia de subsídios, o que lhe valeu diversos processos em tribunal. A seguir desvinculou-se do PSD, por perceber que era ele que já não se revia na ideologia de base do partido.
André Ventura tem 36 anos, nasceu e cresceu em Mem Martins e há quem diga que é daí que lhe vem o trauma. Confessa que foi ali que sentiu pela primeira vez a clivagem social que agora combate: “Aqueles que não querem fazer nada, que vivem à nossa conta, paredes meias com os que precisam da ajuda do Estado e a quem o Estado falha”.
Entrou para a política aos 17 anos, mas antes disso queria ser padre e chegou a frequentar como aluno externo e por mais de um ano o Seminário de Penafirme [Seminário de Nossa Senhora da Graça], até se apaixonar por uma colega de turma. Depois seguiu Direito.
É cabeça-de-lista do Basta às eleições europeias e defende uma Justiça diferente para a União Europeia e para Portugal, com penas mais pesadas, menos impostos e maior harmonização fiscal, mais controlo de fronteiras e o fim da subsidiodependência. André Ventura sabe que diz coisas questionáveis, mas acredita que há mais gente a pensar assim, só não tem coragem de o dizer. E recusa o rótulo de radical: “o espaço político que é seu e que lhe pertence é o da direita democrática e do centro-direita democrática, de matriz cristã e conservadora”. Mas está a negociar uma estratégia com o Vox espanhol e com a Liga Norte italiana para o Parlamento Europeu.

Facebook
Twitter
Instagram