O conselheiro económico do governo da Califórnia, Lenny Mendonça, considera que existem oportunidades para reforçar o relacionamento «de colaboração aberta e de elevada qualidade» entre Portugal e o Estado norte-americano.

O lusodescendente, que tem a seu cargo a estratégia de desenvolvimento económico da Califórnia, afirmou que «há oportunidades comerciais» a explorar entre Portugal e o estado mais rico dos EUA, referenciando a “tradição longa e rica de movimento de pessoas”.
Lenny Mendonça identificou oportunidades «relativas ao turismo» nas duas direções, depois de ter viajado para os Açores no final de janeiro com voo cheio entre Boston e Terceira, fruto de um «pacote turístico muito atrativo» que obteve bons resultados.
«É preciso criar a procura», afirmou o responsável, que acaba de ser empossado como diretor do Gabinete de Negócios e Desenvolvimento Económico da Califórnia e Conselheiro-chefe para Economia e Empresas do governador Gavin Newsom.
Lenny Mendonça faz parte de um grupo de empreendedores luso-americanos em São Francisco e disse sentir-se encorajado pelos esforços que estão a ser conduzidos no sentido de «tentar fazer uma ponte entre as pessoas, tecnologia, inovação e capital» da Califórnia para Portugal, algo que considera «fantástico».
Durante a visita aos Açores, Mendonça ficou «muito impressionado com a indústria do queijo» e afirmou-se entusiasmado com a possibilidade de «ajudar a garantir que as conexões históricas» entre Portugal e a Califórnia serão reforçadas.
«Tenho orgulho de ser luso-americano e estou entusiasmado com as oportunidades de servir o estado nessa qualidade», afirmou.
O neto de imigrantes portugueses mantém as ligações à comunidade do vale central da Califórnia, onde cresceu e onde existem várias áreas de intervenção prioritária.
«Estou a tentar ouvir e aprender sobre as questões que afetam a comunidade luso-americana», disse, referindo as preocupações com o preço da habitação, as «oportunidades de acesso» ao sistema de ensino superior e «a importância de garantir um sistema de imigração aberto».
A desigualdade entre as zonas costeiras e regiões mais interiores, como a comunidade luso-americana de ocupação agrícola em que cresceu, é também um dos problemas que Mendonça pretende endereçar no novo cargo. «Vamos querer assegurar que todo o Estado beneficia das oportunidades económicas», referiu.
A intenção é viajar entre vários pontos da Califórnia para perceber as maiores dificuldades, entendendo que «não se faz desenvolvimento económico do estado estando sentados em Sacramento a fazer proclamações».
O lusodescendente sublinhou ainda o compromisso do governo estadual de ser «defensor acérrimo» de uma reforma da legislação da imigração, que cai sob a alçada do governo federal, considerando que a Califórnia foi «uma beneficiária» da sua abertura a imigrantes ao longo da História.
«Não teríamos um setor agrícola sem imigrantes, nem um setor vibrante de empreendedorismo sem imigração», disse, prometendo uma «voz muito agressiva» sobre o seu valor.
«Se a Califórnia fosse independente, certamente teríamos as nossas políticas, mas não somos», afirmou.
A Califórnia é o Estado norte-americano com maior diáspora portuguesa, contabilizando uma comunidade de 346 mil pessoas, de acordo com o censo de 2010.