Um futebolista luso-americano com raízes na Lousã, Pedro Galvão, começa em março a jogar no Cosmos, mais de 40 anos após o brasileiro Pelé e o português Seninho terem representado as cores do emblemático clube de Nova Iorque.

Pedro Galvão foi contratado na semana passada pelo New York Cosmos, o qual vai integrar «com sentimento de orgulho» na próxima época, a partir de 01 de março, na National Premier Soccer League, que nos Estados Unidos equivale à quarta divisão.
Para o profissional, de 29 anos, o ingresso no clube ao qual Pelé esteve ligado «é acima de tudo o reconhecimento» de uma carreira iniciada como infantil no Benfica, em Lisboa, tendo passado depois pela Académica de Coimbra e outros clubes portugueses.
«Esta contratação é o reconhecimento do trabalho que tenho vindo a desenvolver», declarou o lateral-esquerdo, que já tinha admitido vir um dia a alinhar pelos nova-iorquinos, cujo treinador, Carlos Mendes, tem também origem portuguesa.
Nos EUA, «a maioria dos futebolistas gostaria de jogar» no Cosmos, do qual o internacional Pelé, mais tarde ministro do Desporto do Brasil num governo de Fernando Henrique Cardoso, se desvinculou em 1977.
Natural de Waterbury, Connecticut, Pedro Galvão cresceu na Lousã e jogou sempre em Portugal, em diferentes escalões, até regressar em 2016 aos Estados Unidos, onde vive atualmente com a família.
Além do Benfica e da Académica, passou por clubes nacionais como o Tourizense, o Gil Vicente e o Sertanense, entre outros.
Há três anos, ingressou no FC Edmonton, da North American Soccer League, e teve na altura o primeiro contacto com o Cosmos, num jogo em que a formação canadiana ganhou aos visitantes por 2-1.
«Quero dar o máximo, poder evoluir e ajudar a fazer os jogadores mais jovens», afirmou.
Galvão quer «ser uma mais-valia» na defesa esquerda do Cosmos. Mas promete «não abdicar nunca da tarefa ofensiva».
Nascido em Waterbury, ele tem dupla nacionalidade. «Mas sinto-me orgulhosamente português», acentuou, para salientar que «o desporto corre nas veias da família».
O pai, José Manuel Galvão, jogou igualmente futebol, no Lousanense, e foi um dos primeiros internacionais das camadas jovens do Rugby da Lousã, modalidade que também praticou como sénior na Académica.